Fiji alertam para crise climática após dois ciclones num mês

O serviço meteorológico das ilhas alertou para rajadas de vento na ordem dos 130 quilómetros por hora, chuvas fortes, inundações nas zonas costeiras e inundações repentinas nas áreas baixas.

Em apenas três semanas, as ilhas Fiji foram afetadas por dois ciclones. Agora, o governo das ilhas pediu uma forte ação contra a crise climática, de acordo com o jornal britânico “The Guardian”. As Fiji abriram centros de evacuação, fecharam escolas e pediram às empresas para encerrarem a atividade mais cedo devido ao ciclone Tino que vai atingir Vanua Levu, a segunda maior ilha.

O serviço meteorológico das ilhas alertou para rajadas de vento na ordem dos 130 quilómetros por hora, chuvas fortes, inundações nas zonas costeiras e inundações repentinas nas áreas baixas.

O primeiro-ministro das Fiji, Frank Bainimarama, apontou a necessidade de ações urgentes para combater as alterações climáticas, uma vez que os impactos têm sido sentidos em toda a região das Fiji, através dos ciclones, e nos incêndios da Austrália.

Também os turistas se estão a refugir após o alerta das atividades. Assim, quem se encontrava nos resorts junto às costas começou a fugir para a cidade, onde estão mais refugiados. Muitos deles quando souberam da passagem da tempestade para ciclone começaram a fugir para a cidade de forma a dirigirem-se para o aeroporto, mas os voos regionais e os barcos foram cancelados devido aos ventos e à forte agitação marítima.

O primeiro ciclone que atingiu as Fiji, “Sarai”, deixou dois mortos e mais de 2.500 desalojados. O Sarai deixou um rasto de destruição pelas ilhas, danificando habitações, plantações e árvores e cortando o fornecimento de eletricidade em algumas ilhas. Embora as ilhas estejam, neste momento, no solstício de verão, esta é também a altura em que os ciclones mais ‘atacam’.

Ler mais
Recomendadas

Novo projeto vai abastecer ilha da Graciosa com energias renováveis

Graças a um investimento de 30 milhões de euros, a região vai construir um parque eólico e um fotovoltaico. O projeto também conta com baterias para armazenar a energia. Durante a fase de testes, a ilha foi abastecida durante mais de 24 horas com uso exclusivo de energias renováveis.

Mais de metade dos portugueses considera práticas conscientes e sustentáveis antes de escolher o banco

O estudo do banco Oney revela que os portugueses estão entre os consumidores europeus que mais se preocupa com o consumo sustentável. Separar o lixo, consumir produtos locais e orgânicos e comprar produtos recicláveis são os principais hábitos éticos dos cidadãos nacionais.

Lisboa, Sintra e Guimarães entre as 105 cidades que estão a cumprir as metas climáticas

O CDP Disclosure Insights Action revelou o ranking que avalia a transparência e ação climática das cidades de todo o mundo. Das 850 cidades analisadas, cerca 105 constam no ranking. Lisboa, Sintra e Guimarão são três delas.
Comentários