Filipinas aposta no investimento público para revitalizar economia

O plano de desenvolvimento governamental abarca infraestruturas ferroviárias, portos, estradas, aeroportos e energia, segundo um ‘research’ da companhia Crédito y Caución.

Manila, Filipinas: 1.9 dólares

As Filipinas vão apostar na dinamização do investimento público para aumentar a qualidade das infraestruturas, que estão a limitar o desenvolvimento da indústria manufatureira, em particular.

Numa nota de ‘research’, a especialista no seguro de crédito Crédito y Caución avança que o governo do país tem em marcha um plano de desenvolvimento que abarca vias ferroviárias e rodoviárias, portos e aeroportos e produção energética. Estima-se que o investimento público cresça de 5% do PIB, em 2017, para mais de 7% em 2022.

Atualmente, refere a Crédito y Caución, o consumo privado representa cerca de 70% da economia e tem sido a base do crescimento económico das Filipinas desde 2012. Segundo esta empresa, a taxa de crescimento anual permanecerá acima de 5,5%, apesar  aumento das taxas de juros, da diminuição da confiança dos investidores e da contribuição negativa das exportações, continuando a ser apoiado, sobretudo, pelo consumo das famílias e pela despesa pública.

“Espera-se que os défices fiscais e as finanças públicas se mantenham num nível aceitável, apoiando a continuidade do investimento público”, escreve a companhia, que destaca ainda a boa conjuntura macroeconómica externa, com uma dívida externa administrável, que representa 19% do PIB, e ampla liquidez.

As Filipinas, cuja capital é Manila, localizam-se no Sudeste da Ásia e têm cerca de 100 milhões de habitantes.

Recomendadas

Itália à procura de governo: de iniciativa presidencial ou segundo o modelo Ursula?

Matteo Salvini não quer outra coisa que não as eleições antecipadas, mas os seus opositores querem tudo menos isso. O Presidente Sergio Mattarella terá que decidir.

Londres deixa de participar na maior parte das reuniões da União Europeia a 1 de setembro

“Muitas das discussões nestas reuniões com a UE têm a ver com a União depois da saída do Reino Unido. Libertar os representantes dessas reuniões permite que eles concentrem melhor os seus talentos nas prioridades nacionais imediatas”, afirmou Steve Barclay.

“O ideal era que todos saíssem vivos, mas preferimos salvar os reféns”, diz governador do Rio de Janeiro após sequestro

Wilson Witzel parabenizou o trabalho do BOPE e lamentou a morte do sequestrador. Aos jornalistas, o governador do Rio de Janeiro apelou para que “este tipo de atrocidade” não se volte a repetir e anunciou que a família do criminoso terá acompanhamento.
Comentários