Filipinas aposta no investimento público para revitalizar economia

O plano de desenvolvimento governamental abarca infraestruturas ferroviárias, portos, estradas, aeroportos e energia, segundo um ‘research’ da companhia Crédito y Caución.

Manila, Filipinas: 1.9 dólares

As Filipinas vão apostar na dinamização do investimento público para aumentar a qualidade das infraestruturas, que estão a limitar o desenvolvimento da indústria manufatureira, em particular.

Numa nota de ‘research’, a especialista no seguro de crédito Crédito y Caución avança que o governo do país tem em marcha um plano de desenvolvimento que abarca vias ferroviárias e rodoviárias, portos e aeroportos e produção energética. Estima-se que o investimento público cresça de 5% do PIB, em 2017, para mais de 7% em 2022.

Atualmente, refere a Crédito y Caución, o consumo privado representa cerca de 70% da economia e tem sido a base do crescimento económico das Filipinas desde 2012. Segundo esta empresa, a taxa de crescimento anual permanecerá acima de 5,5%, apesar  aumento das taxas de juros, da diminuição da confiança dos investidores e da contribuição negativa das exportações, continuando a ser apoiado, sobretudo, pelo consumo das famílias e pela despesa pública.

“Espera-se que os défices fiscais e as finanças públicas se mantenham num nível aceitável, apoiando a continuidade do investimento público”, escreve a companhia, que destaca ainda a boa conjuntura macroeconómica externa, com uma dívida externa administrável, que representa 19% do PIB, e ampla liquidez.

As Filipinas, cuja capital é Manila, localizam-se no Sudeste da Ásia e têm cerca de 100 milhões de habitantes.

Recomendadas

Novo Presidente argentino quer agenda ambiciosa com o Brasil, para além da tensão com Jair Bolsonaro

O Presidente da Argentina, Alberto Fernández, destacou esta terça-feira no Brasil no seu discurso de posse no parlamento e pediu uma “agenda ambiciosa” apoiada pela história dos dois povos e não pela “diferença pessoal” com o seu homólogo brasileiro, Jair Bolsonaro.

Boris Johnson admite risco de falhar maioria absoluta nas eleições legislativas

Johnson aludiu às eleições de 2017, quando a antecessora Theresa May tinha uma vantagem nas sondagens mas acabou por não conseguir uma maioria de deputados na Câmara dos Comuns, precisando do apoio do Partido Democrata Unionista (DUP) da Irlanda do Norte para formar governo.

Boris Johnson recria cena da porta do filme “O amor acontece”. Hugh Grant já criticou vídeo

Na nova versão, o primeiro-ministro britânico pede o voto ao seu eleitorado para que o Reino Unido consiga avançar no processo do Brexit. Hugh Grant, que entrou no filme, já criticou o filme.
Comentários