Filipinas aposta no investimento público para revitalizar economia

O plano de desenvolvimento governamental abarca infraestruturas ferroviárias, portos, estradas, aeroportos e energia, segundo um ‘research’ da companhia Crédito y Caución.

Manila, Filipinas: 1.9 dólares

As Filipinas vão apostar na dinamização do investimento público para aumentar a qualidade das infraestruturas, que estão a limitar o desenvolvimento da indústria manufatureira, em particular.

Numa nota de ‘research’, a especialista no seguro de crédito Crédito y Caución avança que o governo do país tem em marcha um plano de desenvolvimento que abarca vias ferroviárias e rodoviárias, portos e aeroportos e produção energética. Estima-se que o investimento público cresça de 5% do PIB, em 2017, para mais de 7% em 2022.

Atualmente, refere a Crédito y Caución, o consumo privado representa cerca de 70% da economia e tem sido a base do crescimento económico das Filipinas desde 2012. Segundo esta empresa, a taxa de crescimento anual permanecerá acima de 5,5%, apesar  aumento das taxas de juros, da diminuição da confiança dos investidores e da contribuição negativa das exportações, continuando a ser apoiado, sobretudo, pelo consumo das famílias e pela despesa pública.

“Espera-se que os défices fiscais e as finanças públicas se mantenham num nível aceitável, apoiando a continuidade do investimento público”, escreve a companhia, que destaca ainda a boa conjuntura macroeconómica externa, com uma dívida externa administrável, que representa 19% do PIB, e ampla liquidez.

As Filipinas, cuja capital é Manila, localizam-se no Sudeste da Ásia e têm cerca de 100 milhões de habitantes.

Recomendadas

“A Caminho da Casa Branca”. JE analisa corrida presidencial nos EUA a partir de 2 de outubro

A corrida presidencial nos EUA está ao rubro e a partir de 2 de outubro, o “Jornal Económico”, através do jornalista António Freitas de Sousa, vai analisar todas as incidências de uma eleição que se prevê muito disputada.
tik tok

Imprensa estatal chinesa pede a Pequim que rejeite acordo para compra da Tik Tok nos EUA

O Global Times, controlado pelo estado chinês, inicialmente apelidou o negócio de “razoável” depois de surgirem notícias de que a Oracle e a Walmart tinham concordado em adquirir uma participação combinada de 20% da Tik Tok.

ONU quer reforçar o multilateralismo num mundo cada vez mais unilateral

Uma desoladora Assembleia Geral das Nações Unidas, a 75ª da sua história, reflete o mundo pandémico em que o planeta se vai afundando. Mas ainda há esperança, disse António Guterres.
Comentários