Filme “Nomadland” de Chloé Zhao foi o grande vencedor dos prémios BAFTA

Zhao, que recebeu os prémios relativos a melhor filme e melhor realização, agradeceu à comunidade nómada, destacando a forma como esta partilhou “os seus sonhos e sofrimento” durante as filmagens.

“Nomadland” foi hoje o grande vencedor da 74.ª edição dos prémios da Academia Britânica das Artes Cinematográficas e da Televisão (BAFTA), alcançando quatro prémios, entre os quais melhor filme, melhor realizador e melhor atriz.

O filme da realizadora sino-americana Chloé Zhao conta a história de uma mulher (Frances McDormand) que viaja pela América como nómada, vivendo numa caravana, trabalhando em empregos temporários e sobrevivendo na estrada, na sequência de uma crise económica.

Chloé Zhao tornou-se na segunda mulher a ganhar o BAFTA de melhor realização, sendo que esta madrugada já tinha sido distinguida com o mesmo prémio, mas pelo Sindicato dos Realizadores da América.

Zhao, que recebeu os prémios relativos a melhor filme e melhor realização, agradeceu à comunidade nómada, destacando a forma como esta partilhou “os seus sonhos e sofrimento” durante as filmagens.

“O filme diz-nos muito sobre a nossa sociedade e sobre o que precisamos de melhorar”, disse Zhao no discurso.

“Nomadland – Sobreviver na América”, que já venceu dois Globos de Ouro e está nomeado para sete Óscares, também venceu o prémio de melhor atriz, ganho pela norte-americana Frances McDormand, e o de melhor fotografia.

A película “Rocks” venceu dois prémios: de melhor elenco e melhor atriz emergente, entregue a Bukky Bakray.

“Rocks” é um drama sobre uma adolescente que passa a viver na rua com o irmão mais novo, depois de ambos terem sido abandonados pela mãe.

Nas interpretações secundárias foram distinguidos Daniel Kaluuya, em “Judas and the Black Messiah”, e Yuh-Jung Youn, em Minari.

“Soul” venceu melhor filme de animação e melhor banda sonora, enquanto “Sound of Metal” triunfou nas categorias de melhor som e de melhor montagem.

O filme “The Father” arrecadou o prémio de melhor ator, atribuído a Anthony Hopkins, e o de melhor guião adaptado. “A Promising Young Woman” venceu os prémios de melhor filme britânico e de melhor guião original. “The Mother of Blues” venceu nas categorias de melhor caracterização e de melhor guarda-roupa.

O BAFTA de melhor filme em língua não inglesa foi para “Another Round” e o relativo à maior contribuição para o cinema britânico foi entregue a Noel Clarke.

Tanto “Nomadland – Sobreviver na América” como “Rocks” somavam sete nomeações para os BAFTA, mas apenas o filme de Chloé Zhao, que tem recebido vários prémios nas últimas semanas, estava nas categorias de melhor realização e melhor filme.

Este ano, a cerimónia dos BAFTA deveria ter acontecido em fevereiro, mas foi empurrada para abril por causa da covid-19, seguindo a decisão tomada pela academia dos Óscares, que adiou a entrega para finais de abril.

O anúncio dos BAFTA aconteceu apenas ‘online’, a partir do Royal Albert Hall, em Londres.

Ler mais
Recomendadas

Monica Bellucci vai interpretar Maria Callas no Festival de Almada

Um espetáculo com a atriz italiana Monica Bellucci, a reencarnar e dar voz à soprano Maria Callas, será um dos momentos altos do Festival de Teatro de Almada, cuja programação completa será anunciada a 18 de junho.

Novo livro de José Sócrates ainda não conseguiu vender 500 exemplares

Lançado a 15 de abril, “Só Agora Começou” não se encontra entre os 100 livros mais vendidos em Portugal. Livro que analisa de forma muito crítica o envolvimento do seu autor na “Operação Marquês” tem prefácio de Dilma Rousseff e também foi editado no Brasil.

PremiumJulião Sarmento: Eternamente indisponível para banalidades

Foi um dos mais internacionais artistas portugueses, mas também um dos mais internacionalistas, para quem as fronteiras foram sempre desprezíveis ou inexistentes. Soares não falhou a possibilidade de o tornar comendador, não fosse o destino reservar-lhe o impossível anonimato.
Comentários