Fim da greve dos motoristas: 660 postos ainda sem gasóleo

O primeiro-ministro vai avaliar hoje se existem condições para declarar o fim da crise energética em Portugal, após o sindicato dos motoristas ter desconvocado a greve.

Desconvocada a greve dos motoristas, a normalidade vai regressar lentamente ao abastecimento dos postos de combustível em Portugal, tal como aconteceu na primeira greve dos motoristas em abril.

Dos 3.020 postos de combustível existentes em Portugal, existem ainda 660 postos sem gasóleo, 21,6% do total, segundo os dados da plataforma Já não dá para abastecer. Em relação à gasolina, existem ainda 461 postos sem gasolina, correspondendo a 15% do total.

Destes mais de 3 mil postos, 75,6% têm todos os tipos de combustível neste momento, 12% contam com um dos combustíveis, com 12,3% a não ter nenhum combustível.

O primeiro-ministro deslocou-se esta manhã à Entidade Nacional do Setor Energético (ENSE) para avaliar se cancela a declaração da crise energética, que continua em vigor.

A situação de crise energética está em vigor desde 9 de agosto e tem duração prevista até 21 de agosto.

Se verificar que existem condições para cancelar a greve, o Governo vai votar o cancelamento da crise energética através do conselho de ministros eletrónico, segundo a Lusa.

O Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) e a Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM) regressam na terça-feira à mesa de negociações para selar o conflito laboral que tem oposto os dois lados.

Motoristas de matérias perigosas desconvocam greve ao sétimo dia mas deixam ameaças 

 

 

 

Motoristas de matérias perigosas desconvocam greve ao sétimo dia mas deixam ameaças 

Ler mais
Recomendadas

Aicep tem em pipeline novos investimentos de 1,01 mil milhões de euros

Novos projetos de investimento previstos para 2020 devem criar mais de 2100 empregos. O presidente da Aicep, Luís Castro Henriques mantém o optimismo na evolução da economia portuguesa

Sócios de Paulo Fernandes reforçam na Altri. Ana Menéres reduz

O valor de venda foi de 5,8 euros por ação pelo que o reforço custou à Caderno Azul 5,8 milhões de euros e à 1 Thing Investments 14,5 milhões.
Supermercados

Associação das empresas de retalho vai apresentar estudo sobre ‘e-commerce’

O estudo da Deloitte pretende identificar as barreiras existentes em Portugal ao desenvolvimento do comércio digital.
Comentários