Premium“Finanças públicas não aguentam” segunda vaga de Covid-19 em Portugal

Apesar do ligeiro aumento de casos ativos em Portugal não configurar, para já, uma segunda vaga da doença, a possibilidade de novo confinamento seria desastrosa para a economia nacional, alertam especialistas ouvidos pelo Jornal Económico.

“Não temos capacidade para voltar a confinar e ter uma quebra de 16,5% do PIB num mês ou num trimestre.” O aviso surge depois de um novo aumento no número de infeções confirmadas por Covid-19 em Portugal, numa altura em que o país não regista menos de 100 casos novos há mais de três meses.

João Duque, economista e professor catedrático no ISEG, mostra-se preocupado com a eventualidade de um novo confinamento e o rombo que tal causaria nas finanças públicas portuguesas, não compreendendo a falta de estratégia do governo para a saúde e para a economia nacionais.

A possibilidade de uma segunda vaga de Covid-19 tem vindo a ser levantada e, com o ressurgimento de vários surtos e o aumento dos novos casos confirmados nas últimas semanas em regiões da Europa, tal hipótese ameaça confirmar-se nalguns países.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Fisco vai anular multas de 75 euros a trabalhadores independentes que esperam apoio extraordinário

A denúncia partiu hoje da Precários Inflexíveis, dando conta que muitos destes trabalhadores relataram à associação não conseguir submeter o pedido para o apoio relativo a julho, devido ao prazo curto para submeter o requerimento (uma semana, sem aviso prévio) e o tempo que leva a ser confirmada a reabertura de atividade.

Programa Valorizar apoia 24 projetos no Ribatejo e Alentejo em 7 milhões de euros

O apoio abrange projetos nas áreas do autocaravanismo, turismo literário, praias fluviais, estações náuticas, enoturismo e recursos endógenos.

Receita de IRC passa para níveis de 2014. São menos 1,5 mil milhões em 2020

“Andámos seis anos para trás em termos de receita do IRC”, diz Renato Carreira, Tax Partner da Deloitte. Fiscalista recorda que rombo na receita fiscal é em grande parte explicado pelo adiamento dos pagamentos por conta que só serão feitos pelas empresas se no final do ano tiverem lucros que os justifiquem. E a previsão é mais empresas com mais prejuízos, logo menos impostos a entrarem nos cofres do Estado.
Comentários