Financiamento ligado às alterações climáticas subiu 28% para 35,2 mil milhões, anuncia BAD

“Do total do ano passado, 27,9 mil milhões de dólares, representando 79%, foi dedicado a projetos de mitigação das alterações climáticas que pretendem reduzir emissões nocivas e abrandar o aquecimento global”, anunciou hoje o Banco Africano de Desenvolvimento.

O financiamento do Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) ligado às alterações climáticas subiu 28% em 2017, atingindo o recorde de 35,2 mil milhões de dólares, com a África subsaariana a receber 16% do total mundial dos fundos.

“Do total do ano passado, 27,9 mil milhões de dólares, representando 79%, foi dedicado a projetos de mitigação das alterações climáticas que pretendem reduzir emissões nocivas e abrandar o aquecimento global”, anunciou hoje o BAD.

“Os restantes 21%, no valor de 7,4 mil milhões de dólares, foram investidos em projetos de adaptação ao clima que ajudam particularmente as economias emergentes e em desenvolvimento a lidar com os efeitos das alterações climáticas, como chuvas fortes, secas mais longas e outros eventos meteorológicos extremos”, acrescenta-se no comunicado distribuído em Abidjan, onde se situa a sede do BAD.

Para além dos 35,2 mil milhões financiados pelo BAD, este tipo de financiamento direcionado para projetos ambientalmente sustentáveis angariou mais 51,7 mil milhões de dólares de outras fontes de financiamento públicas e privadas, o que eleva o total para quase 87 mil milhões de dólares.

No comunicado, o BAD lamenta ainda que o continente africano, “que representa menos de 4% das emissões com efeito de estufa, receba apenas 3% do financiamento climático, apesar de ser o continente mais afetado por estas mudanças”.

Recomendadas

Cheias no Mondego: Ambiente estranha declarações do presidente da CAP sobre cheias no Mondego

Presidente da CAP disse que se não chover mais, vai faltar água no Mondego no próximo verão. Ministério liderado por João Pedro Matos Fernandes reage, dizendo que baixo caudal é intencional para garantir a segurança das pessoas.

Projeto para devolver garrafas de plástico nos supermercados deverá arrancar no primeiro trimestre de 2020

Segundo os promotores, este é um projeto muito importante para preparar a implementação do futuro sistema de depósito de embalagens de bebidas em plástico, vidro, metais ferrosos e alumínio, que deverá suceder ao sistema de incentivo a partir de 1 de janeiro de 2022.

Concentração de gases CO2 deverá atingir novo máximo devido aos incêndios na Austrália

A concentração de dióxido de carbono deverá atingir um pico acima de 417 partes por milhão em maio deste ano, enquanto a média do ano deverá rondar os de 414 ppm, até quase 3 ppm acima da média do ano passado, denuncia o Met Office no Reino Unido.
Comentários