Financiamento ligado às alterações climáticas subiu 28% para 35,2 mil milhões, anuncia BAD

“Do total do ano passado, 27,9 mil milhões de dólares, representando 79%, foi dedicado a projetos de mitigação das alterações climáticas que pretendem reduzir emissões nocivas e abrandar o aquecimento global”, anunciou hoje o Banco Africano de Desenvolvimento.

O financiamento do Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) ligado às alterações climáticas subiu 28% em 2017, atingindo o recorde de 35,2 mil milhões de dólares, com a África subsaariana a receber 16% do total mundial dos fundos.

“Do total do ano passado, 27,9 mil milhões de dólares, representando 79%, foi dedicado a projetos de mitigação das alterações climáticas que pretendem reduzir emissões nocivas e abrandar o aquecimento global”, anunciou hoje o BAD.

“Os restantes 21%, no valor de 7,4 mil milhões de dólares, foram investidos em projetos de adaptação ao clima que ajudam particularmente as economias emergentes e em desenvolvimento a lidar com os efeitos das alterações climáticas, como chuvas fortes, secas mais longas e outros eventos meteorológicos extremos”, acrescenta-se no comunicado distribuído em Abidjan, onde se situa a sede do BAD.

Para além dos 35,2 mil milhões financiados pelo BAD, este tipo de financiamento direcionado para projetos ambientalmente sustentáveis angariou mais 51,7 mil milhões de dólares de outras fontes de financiamento públicas e privadas, o que eleva o total para quase 87 mil milhões de dólares.

No comunicado, o BAD lamenta ainda que o continente africano, “que representa menos de 4% das emissões com efeito de estufa, receba apenas 3% do financiamento climático, apesar de ser o continente mais afetado por estas mudanças”.

Recomendadas

Gronelândia perdeu sete vezes mais gelo nos últimos 10 anos do que na década de 1990

Cientistas estimam, num estudo divulgado esta terça-feira, que a Gronelândia perdeu, em média, sete vezes mais gelo nos últimos 10 anos do que na década de 1990.

Ordem dos Engenheiros subscreve declaração sobre emergência climática

O documento da WFEO, recentemente emitido, elenca 11 medidas concretas com as quais a federação internacional das ordens de engenheiros se compromete, considerando as crises de colapso climático como as questões mais graves da atualidade.

1,9 mil milhões de pessoas em todo o mundo estão em risco de escassez de água

Segundo o primeiro estudo que analisa todas as fontes de água de alta altitude, sabe-se que as bacias asiáticas são as mais vulneráveis à procura humana e ao aquecimento global, mas o documento demonstra que estas pressões também estão a afetar outros continentes.
Comentários