Fintechs com “misto de sensações” sobre acesso a contas bancárias

Os novos operadores da área financeira consideram que os bancos devem ir além das obrigações da diretiva dos pagamentos.

Daqui a menos de quatro meses a informação bancária vai deixar de ser propriedade exclusiva dos bancos. Fruto da legislação europeia, a partir do próximo dia 14 de setembro, todas as instituições financeiras terão de ter operacionais plataformas de open banking – para que várias entidades, que não apenas os bancos, possam ter acesso às contas bancárias dos seus clientes (ainda que só com o “ok” dos donos). “Imaginem o que uma seguradora pode fazer quando souber que gasto 5 euros em tabaco e o que pago todos meses num ginásio?”, exemplificou Diogo Nesbitt, cofundador da Bankonnect, no “1º Encontro Fintech”, organizado pela sociedade de advogados Sérvulo e do qual o Jornal Económico foi media partner.

Alguns bancos e fintechs já se chegaram à frente da diretiva dos pagamentos (PSD2) e disponibilizaram as suas APIs, mas, no final do verão, nascem mais oportunidades e ofertas neste negócio, capazes de impactar o trabalho dos programadores, das entidades e a experiência dos consumidores. “Vai ter pontos positivos mas será um misto de sensações. Ninguém vai querer desenvolver um PFM [Personal Finance Management] em Portugal. A inovação não é só fazer porque a PSD2 obriga. Se os bancos inovassem davam acesso a tudo. Os clientes querem-no”, defendeu o Diogo Nesbitt, uma vez que a quantidade de exigências, o número de logins necessários, “matam a experiência do utilizador” na gestão do seu próprio dinheiro e contas.

Para o diretor comercial da SIBS, assiste-se um novo paradigma de concorrência que está a mudar a dinâmica do mercado e a criar uma estandardização de novos comportamentos por parte dos utilizadores, bem como um fenómeno que apelidou de «walletização» – a opção pelas carteiras digitais. Apaixonado pelos modelos matemáticos do machine learning, Ricardo Chaves apresentou, nesta conferência, uma série de tecnologias massificadas e sublinhou que o foco do regulador europeu é também a evolução da arquitetura do sistema financeiro. Enquanto representante do processador português (ou “fintech de back-end”), Ricardo Chaves lembrou que o open banking da SIBS dá acesso, numa só ligação, a 18 bancos. “Enquanto os bancos estavam ocupados a lamber feridas as fintechs estavam a inovar”, afirmou.

No painel sobre o “admirável mundo novo” da banca e da tecnologia, moderado pelo of counsel da Sérvulo Francisco Mendes Correia, empresas de pagamentos portuguesas apontaram o dedo aos chamados incumbentes. “Todos os consumidores sentem que a banca não está lá. É preciso pôr o titular da conta no centro da atenção, o que não tem acontecido. Como é que só chegaram no final de 2018 as transferências instantâneas?”, criticou Sebastião Lancastre, CEO da Easypay. Na sua opinião, é arcaico que os extratos bancários só fiquem disponíveis durante seis meses para consulta. João Barros, CEO da Pagaqui, admitiu que o dinheiro físico anda de mão dada com a pequena fraude, “é pouco higiénico e pouco prático”. Estes empresários, admitidos fãs da Revolut, frisaram que passaram por um processo “gigantesco” de regulação com a famosa diretiva, como se estivessem no arranque da regulação da sua atividade.

Atentos a estas preocupações e sentados na plateia, CMVM e Banco de Portugal (BdP) garantem que não se colocam à margem da inovação. “Os novos riscos não nos podem levar a abandonar as oportunidades, a favor do sistema, da economia e do bem-estar social”, Filomena Oliveira, vice-presidente cessante da CMVM. Para Hélder Rosalino, administrador do BdP, o uso da inovação como estratégia de mudança e a aposta na formação serão cruciais. “A banca está a fazer um esforço para pôr o cliente no centro”, diz.

Artigo originalmente publicado na edição do Jornal Económico nº 1991 de 31 de maio de 2019

Ler mais
Recomendadas

Marsh Portugal entra no negócio de Private Equity e Fusões e Aqusições

Com a presença do Pedro Pereira, a Marsh Portugal reforça o seu posicionamento enquanto consultor de riscos, com uma equipa dedicada à prática de Private Equity e Mergers & Acquisitions.

Vítor Santos: “Rotatividade faz-se quase sempre entre as Big Four”

A rotavidade do auditor imposta pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários “é positiva”, mas na maioria das vezes não abrange as auditoras de pequena dimensão, diz o sócio de Auditoria da DFK & Associados.

PremiumO advogado que ensinou gerações de estudantes de Direito

Com a fundação da Cuatrecasas/Gonçalves Pereira, o advogado protagonizou uma das mais importantes fusões da advocacia ibérica. Ao longo da carreira representou o país em organismos internacionais. Faleceu no passado dia 9 de setembro, aos 83 anos.
Comentários