PremiumFisco avança com execuções a 500 advogados com dívidas à Ordem

Advogados que tenham quotas em atraso e não pagarem voluntariamente podem ser alvo de ações executivas. Já foram formalizadas 500 execuções fiscais junto da AT nas duas mil interpelações feitas pela Ordem.

Dois mil advogados com quotas por pagar à Ordem dos Advogados (OA) arriscam-se a alvo de ações executivas para liquidar uma dívida de 5,5 milhões de euros. Este é o número de causídicos que foram já interpelados pela Ordem para pagarem valores em falta, com proposta de acordo para pagamento a prestações. Caso não haja acordo extrajudicial, serão propostas ações executivas à Autoridade Tributária (AT) que tem a competência para executar os devedores, revelou ao Jornal Económico fonte oficial da OA.

No total, são cerca de 14 mil advogados que têm quotas por pagar, num total que se aproxima dos sete milhões de euros. E “a Ordem interpelou dois mil associados para pagarem o montante de quota em dívida, propondo acordo para pagamento, e caso não haja este acordo serão propostas ações executivas junto da AT”, avançou ao JE fonte oficial da OA, liderada por Guilherme Figueiredo. A mesma fonte adianta que “foram já formalizadas cerca de 500 propostas de ações executivas, bem como 324 acordos com os associados para pagamento de dívidas fora do âmbito do processo executivo”.

Artigo publicado na edição semanal de 6 de setembro, de 2019, do Jornal Económico. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Especialistas defendem que união fiscal é chave para a união política europeia

No Webinar “O futuro da União Europeia”, uma iniciativa da Antas da Cunha ECIJA, Ana Gomes defendeu que “as questões da fiscalidade têm de passar a ser assumidas como uma questão europeia. A questão de recursos próprios europeus que dependem de impostos europeus, que não sejam o IVA — temos 50 mil milhões de euros de receitas de IVA por ano a financiarem organizações mafiosas e terroristas”, é importante.

Futuro da Europa vai estar em debate na segunda-feira

Ana Gomes, Isabel Meireles, Pedro Madeira Froufe e Daniela Guimarães vão debater o futuro do projeto europeu, dado o atual momento de incerteza.

Direito dos consumidores a reembolsos por parte das transportadoras aéreas em tempos de pandemia

O objetivo da legislação europeia de permitir uma abordagem coordenada a nível da União acaba por ser posto em causa, quando cada Estado-membro, independentemente do disposto no Regulamento, tem uma abordagem de aplicação prática distinta e até contra legem.
Comentários