“FLEXD”: a nova cotada da bolsa de Lisboa já tocou o sino e começa a negociar na segunda-feira

“Esta empresa caiu-nos no sapatinho de Natal”, afirmou Isabel Ucha, membro do conselho de administração da Euronext Lisbon e próxima presidente da Bolsa de Lisboa.

A Euronext não esperou pela meia noite e abriu o seu maior presente antes do tempo, tendo apresentado oficialmente esta sexta-feira a Flexdeal, a próxima empresa a chegar à Bolsa de Lisboa.

“Esta empresa caiu-nos no sapatinho de Natal”, disse Isabel Ucha sobre a primeira sociedade de investimento mobiliário para fomento da economia (SIMFE) a entrar em mercado regulado português.

Cerca de 11 meses após o registo na CMVM enquanto SIMFE, a Flexdeal cumpriu os prazos estipulados e ficará listada já na véspera de Natal. A partir de dia 24 de janeiro, a negociação da Flexdeal vai decorrer em contínuo com o código “FLEXD” a um preço de referência de cinco euros e com uma capitalização bolsista de 16 milhões de euros. O encaixe do aumento de capital foi de 5 milhões de euros.

“A admissão da Flexdeal tem outra novidade, o regime de colocação privada, com elementos interessantes: a flexibilidade na colocação e o regime simplificado de emissão (tem apenas um prospeto de admissão)”, afirmou a próxima presidente da Euronext Lisbon, à margem da sessão de admissão, na sede da Euronext em Lisboa:

Isabel Ucha, membro do board da Euronext Lisbon, aproveitou também a presentação da primeira sociedade de fomento listada para fazer um agradecimento ao Governo, aplaudir o espírito de abertura e diálogo durante todo o processo, entre os vários intervenientes, e também a Luís Laginha e a Maria João Carioca, ex-presidentes da Bolsa de Lisboa.

A Flexdeal conta com uma carteira de 27 participações, totalizando 12,1 milhões de euros, e caracteriza-se como um “personal trainer das PME” nacionais. Ao Jornal Económico, Alberto Amaral, presidente da Flexdeal, disse que em 2019 poderá haver outras sociedades de investimento a seguir as suas pisadas. “A Flexdeal poderá ter um efeito positivo de novas SIMFE que venham a ser criadas. Espero que sim porque permite que as próprias SIMFE invistam entre si. O que significa que amanhã poderemos fazer coinvestimentos. Acho que a parte mais difícil já foi feita, porque à data de hoje será mais fácil constituir uma sociedade destas”, referiu.

A presidente da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), Gabriela Figueiredo Dias, salientou que 99% do tecido empresarial português é composto por PME, que “continuam com necessidades de financiamento”, pelo que este poderá ser um veículo alternativo. “Na CMVM estão convictos de que estamos perante a reinvenção dos mercados de capitais (…). Continuaremos a estudar a diversificação do mercado. Não discriminamos modelos de negócios. Não há grandes nem pequenos”, frisou no mesmo evento.

Paulo Câmara, managing partner da Sérvulo & Associados e assessor jurídico desta SIMFE, apresentou os parâmetros de uma sociedade deste tipo, inclusive as vantagens para investidores, quer profissionais quer não profissionais: implica dupla tutela, como OIC e sociedade cotada, investimento elegível por parte dos fundos e investimento e fundos de pensões. Como aspetos positivos, o advogado enumerou ainda o “sinal de maturidade para o mercado” que este dia representa e frisou que as SIMFE “servem os interesses dos emitentes, das PME financiadas e dos investidores”.

A 30 de junho de 2017 o Governo criou as sociedades de investimento mobiliário para fomento da economia e os certificados de dívida de curto prazo, promovendo o investimento em pequenas e médias empresas. A medida consta do Decreto-Lei n.º 77/2017 e insere-se no Programa Capitalizar, que permite às empresas reforçar os seus capitais próprios, passando agora os títulos de empresas de pequena e média dimensão a cumprir os requisitos necessários e a serem elegíveis para o investimento de fundos de investimento e de fundos de pensões.

Ler mais

Relacionadas

Flexdeal prepara oferta de ações para institucionais

Primeira SIMFE portuguesa está a ultimar os requisitos para a admissão à negociação em bolsa. Veículo de investimento tem participações em 22 PME.

Estreia marcada: Flexdeal entra na Bolsa de Lisboa esta segunda-feira

“A operação já está concluída”, referiu Ricardo Arroja, administrador executivo da Flexdeal. À data do Prospeto de Admissão, o capital social da Flexdeal, SIMFE, SA é de 16.103.580 euros, representado por 3.220.716 ações com o valor nominal de cinco euros cada uma. OPV representa assim 100% do capital social da empresa.
Recomendadas

Seguradora Fidelidade entra no mercado chileno

Com esta entrada no Chilea Fidelidade vai também apostar em alianças com parceiros estratégicos locais, alavancadas numa rede ampla de corretores e grandes retalhistas e de bancassurance, apostando numa qualidade de serviço superior com o objetivo de proporcionar o melhor serviço aos clientes.

PAN pede campanha informativa sobre 5G em Matosinhos

Matosinhos tem uma Zonal Livre Tecnológica, promovida pelo CEiiA – Centro de Engenharia e Desenvolvimento, da qual faz parte a NOS. A operadora usa a zona para testar 5G e em outubro anunciou ter coberto “integralmente” com a nova tecnologia móvel. Agora o PAN pede palestras, conferências e debates por toda a cidade para explicar o que é o 5G.

PremiumPropostas não vinculativas pela Brisa são esperadas até 19 de dezembro

O grupo José de Mello e o fundo Arcus, que controlam a maioria do capital, colocaram à venda 80% da empresa (40% cada um).
Comentários