FMI defende que inflação é transitória, mas pede vigilância

As declarações foram feitas por Magdalena Andersson, presidente do comité monetário do Fundo, e pela diretora-geral do FMI, Kristalina Georgieva, em conferência de imprensa, no âmbito da assembleia anual da instituição.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) insistiu esta quinta-feira que os problemas nas cadeias de abastecimento global e na inflação têm um caráter “transitório” com a reativação da economia, mas afirmou que os bancos centrais devem estar “vigilantes”.

As declarações foram feitas por Magdalena Andersson, presidente do comité monetário do Fundo, e pela diretora-geral do FMI, Kristalina Georgieva, em conferência de imprensa, no âmbito da assembleia anual da instituição.

“Quando há uma disparidade entre a procura e a oferta, que não é capaz de dar uma resposta, isso pressiona os preços”, assinalou Andersson, salientando que se trata de algo que também é “positivo”, porque mostra que “o comércio está a recuperar”.

Por seu lado, Georgieva afirmou que a subida de preços também responde “ao facto de algumas economias recuperarem mais depressa do que outras”, o que a levou a considerar que a inflação generalizada que se vê a nível global “é transitória”.

“Mas vamos estar muito vigilantes, porque há outros fatores que podem pressionar os preços, como os choques climáticos”, afirmou a dirigente do FMI, acrescentando que os bancos centrais se comprometeram a adotar medidas “apropriadas” se houver riscos.

Segundo as últimas previsões do FMI, divulgadas esta semana, as economias avançadas deverão terminar o ano com uma inflação em média de 3,6%, que baixará de forma gradual para 2% em meados de 2022.

Para as economias emergentes, a subida de preços será mais acentuada, com uma inflação média de 6,8% em finais deste ano, antes de recuar progressivamente para 4% a meio do próximo ano.

Recomendadas

Consumo de combustíveis volta recuperar em setembro e cresce 10,46%, segundo a ENSE

O consumo de combustíveis aumentou 10,46% em setembro, num “contexto de progressiva normalização” do país e da economia, adiantou hoje, segunda-feira, a Entidade Nacional para o Setor Energético (ENSE), em comunicado.

Empresas vão receber mais de 12 mil milhões de euros do PRR e do Portugal 2030

As verbas acumuladas dos dois programas perfazem um acréscimo de 75% face ao que as empresas receberam no Portugal 2020, realçou ainda Nelson de Souza, esclarecendo que, nos próximos quadros de financiamento, vai “haver muito mais incentivos às empresas para a área das alterações climáticas”.

OE2022. Prazo para comunicação de faturas passa para dia 5 do mês seguinte ao da emissão

O prazo para as empresas remeterem à Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) as faturas vai passar do dia 12 para o dia 5 do mês seguinte ao da emissão, segundo a proposta do Orçamento do Estado para 2022 (OE2022).
Comentários