Retoma alemã deverá permitir crescimento de 1,6% na zona euro em 2020, diz FMI

Fundo Monetário Internacional deixou inalterada a projeção para a economia da zona euro este ano, devido à recuperação da procura externa e do fim de fatores temporários como os protestos dos coletes amarelos em França. A economia alemã deverá crescer 0,7% este ano e acelerar para 1,7% em 2020.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) manteve as projeções de crescimento da economia da zona euro para este ano e reviu em alta ligeira as para 2020. No “World Economic Outlook”, divulgado esta terça-feira, a instituição prevê que o Produto Interno Bruto da zona euro cresça 1,3% este ano e 1,6% em 2020.

“É esperado que o crescimento na zona euro recupere ao longo do ano e em 2020, com a procura externa a recuperar e os factores temporários (incluindo a queda nas matrículas dos carros alemães e dos protestos [dos coletes amarelos] em França) a desvanecerem”, antecipa o WEO.

O FMI adianta ainda que a previsão de crescimento para 2019 é revista em baixa ligeira para a Alemanha para 0,7% este ano, “devido à procura mais fraco do que o esperado, que também pesa sobre o investimento”. No entanto no próximo ano, deverá recuperar para 1,7%, mais 0,3 pontos percentuais (p.p.) do que na previsão de abril.

A instituição explica ainda que a revisão em baixa da Alemanha para este ano é compensada pela manutenção das perspetivas para França, “onde medidas fiscais devem apoiar o crescimento e com os efeitos negativos dos protestos [dos coletes amarelos] a dissiparem-se” e Itália, país cujo outlook mantém a incerteza orçamental, do WEO de abril.

O FMI vê, assim, a economia francesa a crescer 1,3% este ano e 1,4% no próximo ano, enquanto o PIB italiano deverá ter uma expansão de 0,1% e 0,8% este ano e em 2020, respetivamente.

Já para Espanha, o projeção do crescimento foi revista em alta este ano , refletindo investimento mais forte e enfraquecimento das importações no início do ano. O FMI vê assim a economia espanhola a crescer 2,3% este ano e 1,9% no próximo ano.

O FMI reviu em alta ligeira as estimativas de crescimento do PIB do Reino Unido para 1,3% este ano, mais 0,1 ponto percentual do que em abril, mantendo a projeção de 1,4% para o próximo ano.

“A revisão em alta reflete um quarto trimestre de resultados mais forte do que o antecipado devido à acumulação de balanços”, refere o WEO. “A previsão pressupõe um Brexit ordenado seguido de uma transição gradual para o novo regime. No entanto, a partir de meados de julho, a forma final do Brexit permaneceu altamente incerta”.

Ler mais

Recomendadas

Beneficiários com prestações de desemprego aumentam 39% em agosto

Já o número de beneficiários do subsídio de desemprego foi em agosto de 193.313, refletindo um aumento mensal de 0,6% e uma subida de 43,2% por comparação com os 134.955 registados um ano antes.

5G “é mais do que brincar com tecnologias”, realça ex-secretária de Estado

Maria Manuel Leitão Marques classifica o 5G como uma “nova tecnologia indispensável para muitos serviços e indústrias do futuro”, sublinhando que “quem não tiver a sua infraestrutura preparada “ficará para trás”.

“Incerteza”: a culpada por um quinto da quebra da atividade económica da zona euro no primeiro semestre

A pandemia levou a um “aumento sem precedentes” da incerteza macroeconómica e em menor grau financeira. Efeitos são duradouros e irão atenuar a velocidade e o momentum da recuperação dos países da moeda única no curto prazo, estimam economistas do Banco Central Europeu.
Comentários