Retoma alemã deverá permitir crescimento de 1,6% na zona euro em 2020, diz FMI

Fundo Monetário Internacional deixou inalterada a projeção para a economia da zona euro este ano, devido à recuperação da procura externa e do fim de fatores temporários como os protestos dos coletes amarelos em França. A economia alemã deverá crescer 0,7% este ano e acelerar para 1,7% em 2020.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) manteve as projeções de crescimento da economia da zona euro para este ano e reviu em alta ligeira as para 2020. No “World Economic Outlook”, divulgado esta terça-feira, a instituição prevê que o Produto Interno Bruto da zona euro cresça 1,3% este ano e 1,6% em 2020.

“É esperado que o crescimento na zona euro recupere ao longo do ano e em 2020, com a procura externa a recuperar e os factores temporários (incluindo a queda nas matrículas dos carros alemães e dos protestos [dos coletes amarelos] em França) a desvanecerem”, antecipa o WEO.

O FMI adianta ainda que a previsão de crescimento para 2019 é revista em baixa ligeira para a Alemanha para 0,7% este ano, “devido à procura mais fraco do que o esperado, que também pesa sobre o investimento”. No entanto no próximo ano, deverá recuperar para 1,7%, mais 0,3 pontos percentuais (p.p.) do que na previsão de abril.

A instituição explica ainda que a revisão em baixa da Alemanha para este ano é compensada pela manutenção das perspetivas para França, “onde medidas fiscais devem apoiar o crescimento e com os efeitos negativos dos protestos [dos coletes amarelos] a dissiparem-se” e Itália, país cujo outlook mantém a incerteza orçamental, do WEO de abril.

O FMI vê, assim, a economia francesa a crescer 1,3% este ano e 1,4% no próximo ano, enquanto o PIB italiano deverá ter uma expansão de 0,1% e 0,8% este ano e em 2020, respetivamente.

Já para Espanha, o projeção do crescimento foi revista em alta este ano , refletindo investimento mais forte e enfraquecimento das importações no início do ano. O FMI vê assim a economia espanhola a crescer 2,3% este ano e 1,9% no próximo ano.

O FMI reviu em alta ligeira as estimativas de crescimento do PIB do Reino Unido para 1,3% este ano, mais 0,1 ponto percentual do que em abril, mantendo a projeção de 1,4% para o próximo ano.

“A revisão em alta reflete um quarto trimestre de resultados mais forte do que o antecipado devido à acumulação de balanços”, refere o WEO. “A previsão pressupõe um Brexit ordenado seguido de uma transição gradual para o novo regime. No entanto, a partir de meados de julho, a forma final do Brexit permaneceu altamente incerta”.

Ler mais
Recomendadas

Leite achocolatado, bolachas e cereais para crianças deixam de ter publicidade

A lei da publicidade vai apertar a partir do próximo mês de Outubro. As multas para os que infringirem a lei da publicidade ronda os 1.750 euros e 45 mil euros. Outros produtos que deixarão de ser publicitados a este público são também 90% dos cereais de pequeno almoço e 72% dos iogurtes que estão no mercado.

Portugal aceita renegociação de dívida cubana com mais de 30 anos

Dívida cubana em atraso resultou de operações de crédito garantidas por Portugal através da companhia de seguros de crédito COSEC e remonta aos anos 80. Estado cubano compromete-se a pagar até 2029 prestações anuais crescentes.

Apetite dos investidores pela dívida portuguesa não deverá tirar férias

Esta quarta-feira, o IGCP realiza um leilão duplo de Bilhetes do Tesouro, num mês em que “há menos” liquidez nos mercados. Segundo o diretor de gestão de ativos do Banco Carregosa, Filipe Silva, “apesar de estarmos em agosto” não irá ter qualquer efeito na ida de Portugal aos mercados.
Comentários