“Foi o primeiro país a fazê-lo”. Portugal já entregou versão final do PRR à Comissão Europeia (com áudio)

A informação foi revelada numa publicação na rede social Twitter pelo primeiro-ministro, António Costa.

António Costa | Cristina Bernardo

Portugal já entregou a versão do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR). A informação foi revelada numa publicação na rede social Twitter, o primeiro-ministro, António Costa, esta quinta-feira, 22 de abril.

Este plano tem objetivos concretos para combater as vulnerabilidades sociais, bem como dotar os centros de saúde de meios complementares de diagnóstico, concluir as redes de cuidados continuados integrados e paliativos, executar o programa de saúde mental.

Além disso, pretende ainda garantir 26 mil habitações às famílias que não têm habitação condigna. Garantir novas respostas sociais aos idosos e combater a pobreza.

Também através do Twitter a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen deu conta da entrega do PRR nacional.

O primeiro-ministro já tinha dado conta deste passo do seu executivo no final de uma conferência de imprensa conjunta com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, em Andorra, após a XXVII Cimeira Ibero-Americana.

“O ministro do Planeamento [Nelson de Souza] informou-me há pouco que na quinta-feira de manhã entregará o PRR à Comissão Europeia. O trabalho realizado ao longo dos últimos meses produziu os seus frutos”, declarou o líder do executivo português.

Ler mais

Recomendadas

“Vamos fazer um investimento superior a 12 milhões de euros”, garante autarca de Lamego (com áudio)

Ângelo Moura, presidente da Câmara de Lamego, é o convidado do podcast “Conversas com Norte”, que poderá ouvir no site do JE e na ‘playlist’ do JE no Spotify. Nesta entrevista, fala do forte investimento na mobilidade sustentável, reabilitação urbana e intervenção comunitária, apesar das dificuldades impostas pela pandemia.

Dombrovskis ao JE: “Com a Cimeira do Porto colocamos os direitos sociais num novo contexto”

Vice-presidente da Comissão Europeia com a pasta de “Uma Economia ao Serviço das Pessoas” sublinha ao Jornal Económico que a Cimeira Social do Porto permite lançar os direitos sociais para a política de transição digital e verde, mas também “garantir uma recuperação inclusiva sem deixar ninguém para trás”. 

Grupo de trabalho defende subida de taxa nas barragens da Engie no rio Douro

Três das barragens pagam atualmente 67 mil euros por ano, mas com uma atualização da taxa passariam a pagar 751 mil euros anuais. Parte da receita da taxa de recursos hídricos deve ser usada no “apoio de projetos no território” impactado pelas barragens, defende o documento.
Comentários