Força Aérea tem até 4,5 milhões para comprar 12 drones para o combate a incêndios florestais

No verão, os drones servem para detetar fogos florestais, no inverno vão servir para vigiar a orla costeira, áreas protegidas e pedreiras. A totalidade do financiamento tem origem no Fundo Ambiental.

A Força Aérea tem até 4,5 milhões de euros para comprar 12 drones para vigiar os incêndios florestais este verão em Portugal.

“Determinar a aquisição imediata de 12 sistemas de aeronaves não tripuladas (UAS) Classe 1 para corresponder à necessidade urgente de vigilância aérea adicional, durante o período do Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais 2020 (DECIR 2020), justificada pelas medidas de mitigação da pandemia da doença Covid-19”, segundo a resolução de Conselho de Ministros publicada em Diário da República.

A Força Aérea fica assim autorizada a “realizar em 2020 a despesa relativa à aquisição” dos drones e a “infraestruturação, incluindo a atualização e adaptação do sistema de comando e controlo” até ao montante de 4,5 milhões de euros, ao qual acresce o IVA à taxa legal em vigor.

O financiamento, na sua totalidade, vai ter origem no Fundo Ambiental, e os procedimentos de contratação pública são considerados “urgentes e de interesse público”.

Os drones serão operados numa coordenação entre a Força Aérea e a Guarda Nacional Republicana para operações de vigilância, e também com a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil, no quadro do “combate a incêndios rurais, incluindo as operações de rescaldo e de vigilância ativa pós-rescaldo”.

Fora do período de incêndios, entre outubro e maio de cada ano, a Força Aérea “disponibilize aos serviços competentes da área governativa do ambiente e da ação climática 300 horas de voo para execução de tarefas que se compreendem na sua esfera de atribuições, designadamente a vigilância da orla costeira, de áreas protegidas, de pedreiras e a referenciação necessária à execução do cadastro, a concretizar mediante protocolo”.

Ao mesmo tempo, durante outubro e maio de cada ano, a Força Aérea pode “disponibilizar, em função da disponibilidade de horas de voo, a utilização dos UAS Classe 1 pelas entidades do Estado competentes para desenvolvimento de ações de vigilância ambiental, fiscalização, cadastro e outras que se venham a considerar necessárias nos termos a definir por acordo entre as partes”.

Ler mais

Relacionadas

Cercas, drones e aplicações vão controlar praias

Há autarquias que sugerem a colocação de cordas para delimitar o espaço de segurança entre pessoas no areal, de acordo com um documento da APA consultado pelo “Expresso”.

18 drones vão vigiar os portugueses durante o Estado de Emergência

O objetivo é “proteção da segurança das pessoas e bens, públicos ou privados, e prevenção da prática de crimes em locais em que exista razoável risco da sua ocorrência”, segundo o Governo. Exceto na vigilância das cercas ou cordões sanitários, o uso dos drones terá de ser aprovado pela tutela.

Regulador registou 46 incidentes com ‘drones’ nas proximidades dos aeroportos em 2019

 A aviação civil reportou 46 incidentes com ‘drones’ nas proximidades dos aeroportos portugueses em 2019, uma redução face aos 53 registados em 2018, segundo a Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC).
Recomendadas

IGCP volta hoje ao mercado com dois leilões entre 1.000 e 1.250 milhões de euros

A entidade já tem previsto mais dois leilões, um no dia 19 de maio, para entre 1.500 milhões de euros e 1.750 milhões de euros e outro no dia 16 de junho, com um montante previsto entre 1.000 milhões de euros e 1.250 milhões de euros, de acordo com informação no ‘site’ do IGCP.

Portugal corre o maior risco na UE de uma crise prolongada, afirma o banco ING

A elevada exposição ao turismo e outros sectores vulneráveis, o que significa uma percentagem considerável da economia sem a possibilidade de teletrabalho, bem como fragilidades macro e falta de literacia digital colocam o país em risco de uma crise profunda que, juntamente com o resto do Sul da Europa, pode resultar num agravamento do fosso em relação ao Norte mais desenvolvido.

Venda de combustível nos postos de abastecimento cai mais em fevereiro

Daí que a procura e consumo de produtos petrolíferos devam aumentar, sobretudo a partir do segundo semestre deste ano, devendo apesar de tudo “começar a ser sentido de forma mais clara a partir dos meses de abril e maio deste ano”.
Comentários