Forças Armadas com menos proteção aérea devido à falta de peças

O Ministério da Defesa afirma que não existem equipamentos sobressalentes.

 

As Forças Armadas Portuguesas perderam capacidade de proteção antiaérea e encontram-se mais frágeis perante os aliados devido à falta de peças sobressalentes para o sistema míssil ligeiro M48A2 Chaparral, de acordo com o Correio da Manhã desta segunda-feira, que obteve a confirmação junto do Ministério da Defesa.

“Neste momento, a escassez de peças sobressalentes no mercado, que se traduz na obsolescência total da plataforma de tiro, não permite garantir a operacionalidade mínima do sistema”, confessa ao CM o gabinete de José Alberto Azeredo Lopes, acrescentando que os problemas no sistema M48A2 Chaparral causam “lacunas na protecção antiaérea de baixa e muito baixa altitude”.

O sistema em questão, que é utilizado pelo Exército desde 1990, será substituído por novos equipamentos que serão comprados por 32 milhões de euros.

Relacionadas

Forças Armadas com metade dos recrutas necessários

De acordo com os dados da Força Aérea, da Marinha e do Exército, apenas 3906 recrutas foram integrados nas forças de combate e defesa portuguesas, metade daqueles que são necessários.

Forças Armadas não fazem reivindicações cumprem a sua missão

Augusto Santos Silva, ministro dos Negócios Estrangeiros, afirmou hoje que as Forças Armadas têm sempre cumprido a sua “missão de forma exemplar”, notando que as suas “necessidades” têm sido “correspondidas, dentro dos recursos orçamentais” disponíveis.
Recomendadas

Portugal regista mais 19 mortes e 2.076 casos de Covid-19 nas últimas 24 horas

As autoridades sanitárias contabilizaram mais 4.368 pessoas recuperadas nas últimas 24 horas, elevando para 909.330 o número total de pessoas livres do vírus SARS-CoV-2.
Ana Rita Bessa

CDS-PP quer esclarecimentos da DGS sobre vacinação entre 12 e 15 anos

O CDS-PP questionou esta terça-feira o Governo sobre a vacinação contra a covid-19 de adolescentes entre os 12 e 15 anos, apelando a esclarecimentos da Direção-Geral da Saúde sobre algumas recomendações já emitidas, como a necessidade de prescrição médica.

Desemprego em Espanha cai 5,47% em julho, maior queda de sempre

O número médio de inscritos na Segurança Social espanhola estabeleceu um novo máximo histórico de 19.591.728 em julho, um mês em que o desemprego registado caiu 5,47%, a maior queda em toda a série, foi anunciado esta terça-feira.
Comentários