Forças Armadas não fazem reivindicações cumprem a sua missão

Augusto Santos Silva, ministro dos Negócios Estrangeiros, afirmou hoje que as Forças Armadas têm sempre cumprido a sua “missão de forma exemplar”, notando que as suas “necessidades” têm sido “correspondidas, dentro dos recursos orçamentais” disponíveis.

Depois das comemorações do Dia de Portugal, que decorreram no Porto, o ministro respondeu aos jornalistas sobre a questão das reivindicações das Forças Armadas (FA), assegurando que “as Forças Armadas têm necessidades, como todos temos, e são correspondidas dentro dos recursos orçamentais”.

Augusto Santos Silva sublinhou ainda que as FA cumprem “sempre a sua missão” e “fazem-no sempre com exemplaridade, galhardia e sentido de dedicação”.

De acordo com a Lusa, na quarta-feira, o secretário de Estado da Defesa, Marcos Perestrello foi questionado numa audição parlamentar sobre as consequências das cativações orçamentais na operação dos ramos, sobretudo na Força Aérea e na Marinha, tendo respondido que, “até hoje, não foi posta em causa nenhuma componente essencial do serviço que as Forças Armadas portuguesas prestam aos portugueses”.

O governante sublinhou que os constrangimentos orçamentais se mantêm em 2017.

As incorporações nas Forças Armadas atingiram em 2016 as 3.900, o número mais elevado dos últimos cinco anos, com o Governo a admitir que possa haver mais entradas este ano, disse na ocasião o secretário de Estado da Defesa, Marcos Perestrello.

O governante afirmou então que o recrutamento “sentiu nos últimos anos dificuldades que se prendem com uma redução muito grande, no Governo anterior, das admissões e que se traduziu numa certa dificuldade”.

Contudo, em 2016, as incorporações atingiram as 3.900, o número “melhor dos últimos cinco anos” e a “expectativa é de aumentar” em 2017 o número de admissões “para compensar as saídas”.

 

Também na audição, José Azeredo Lopes, ministro da Defesa Nacional revelou que pediu uma segunda auditoria a realizar pelo Instituto de Ação Social das Forças Armadas (IASFA) para obter mais informação sobre aspetos já identificados na anterior relativamente às dívidas da ADM (Assistência na Doença aos Militares) e procedimentos contabilísticos.

A Lusa avança que segundo o ministro, a auditoria detetou um buraco financeiro à razão de um milhão e meio de euros por mês, acumulando 61 milhões de euros a 31 de maio de 2017.

Relativamente a soluções, Azeredo Lopes disse que passará pela diversificação da receita ou por uma alteração que permita ao IASFA “funcionar de forma normal”.

Recomendadas

Topo da agenda: o que vai marcar a atualidade esta quinta-feira

«Enquanto os parceiros continentais de Bruxelas e, do outro lado do Atlântico, a Fed insistem que a economia tem ainda alguns passos a dar até se poder pensar numa subida das taxas de juro, Londres deverá manter semelhante posição, podendo, no entanto, sinalizar já alguma abertura a considerar o próximo passo.

Levantamento de restrições e valorização da libra indicam recuperação do turismo britânico em Portugal

A fintech Ebury, especializada em pagamentos internacionais, diz que, tendo em conta a preferência dos portugueses por destinos de praia, os destinos mais vantajosos em termos cambiais são o Dubai (Emirados Árabes Unidos), as Caraíbas e Zanzibar, na Tanzânia.

Região do Alentejo espera aumentar produção de vinho até 10% este ano

Segundo as previsões da Universidade do Porto, a região vitivinícola do Alentejo estima aumentar a produção para 120 milhões de litros de vinho, contra os 113 milhões de litros produzidos no ano passado, o que já representou uma subida de 15% face a 2019.
Comentários