Forças armadas polacas cada vez mais numerosas na fronteira com a Bielorrússia

Quase seis mil soldados estão agora estacionados junto à fronteira entre os dois países, após o aumento do número de travessias ilegais, que a União Europeia diz ser uma estratégia de Lukashenko.

Presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, e o presidente da Rússia, Vladimir Putin. O governo de Lukashenko tem o apoio declarado de Putin

A Polónia declarou estado de emergência na região da fronteira com a Bielorrússia e está a planear construir um muro ao longo da linha comum, enquanto aumento até aos cerca de seis mil o número de militares ali estacionados e que têm por função impedir que os refugiados vindos da Ásia e do Médio Oriente penetrem na União Europeia.

Segundo o governo de Varsóvia, a Bielorrússia está a facilitar a passagem de refugiados pelo seu território, na tentativa de mais tarde os introduzir ilegalmente na Polónia e na Alemanha. A União Europeia já disse que esta atividade é da responsabilidade do governo bielorrusso e do seu presidente, Alexander Lukashenko.

Enquanto o novo muro não é construído – a sua edificação foi anunciada há várias semanas – a Polónia quase dobrou o número de soldados destacados para protegerem a fronteira, numa medida anunciada pelo ministro da Defesa, Mariusz Blaszczak, esta terça-feira. “Quase seis mil soldados das 16ª, 18ª e 12ª divisões estão a servir na fronteira polaca-bielorrussa”, escreveu Blaszczak na sua cinta do Twitter.

Os soldados apoiam a Guarda de Fronteira protegendo a fronteira do país e não permitindo que seja cruzada ilegalmente”, disse ainda. A Guarda de Fronteira polaca disse que houve 612 tentativas de cruzamento da fronteira só segunda-feira passada. Neste mês de outubro, foram até agora registadas aproximadamente 9.600 tentativas de refugiados entrarem na Polónia sem documentos.

A Comissão Europeia e Varsóvia estão convencidos de que este desmesurado aumento de tentativas de atravessamento da fronteira tem de ser patrocinado pelo governo do outro lado da linha e faz parte de uma movimentação orquestradas por Lukashenko, uma espécie de guerra híbrida destinada a pressionar a União Europeia por causa das sanções impostas ao país.

Por outro lado, o parlamento polaco aprovou legislação que visa legalizar o repatriamento imediato de regresso à Bielorrússia de todos os refugiados que tentarem cruzar a fronteira – algo que diversos grupos de defesa dos direitos humanos já contestou, sendo uma violação do direito internacional. Pelo menos sete refugiados que pediam asilo morreram na região desde agosto, quando a crise na fronteira teve início.

Recomendadas

Covid-19: Irlanda encerra discotecas e anuncia novas restrições para fazer face à variante Ómicrom

O Governo irlandês anunciou esta sexta-feira novas restrições para conter a disseminação da nova variante Ómicron da covid-19, que incluem o encerramento de discotecas ou o distanciamento social em alguns locais.

Secretas dos Estados Unidos esperam invasão russa da Ucrânia em 2022

As tensões começaram a crescer nas últimas semanas, perante o rumor de um novo ataque contra a Ucrânia pela Rússia, acusada de ter concentrado cerca de 94 mil soldados na fronteira.

Portugal pode esperar “política de continuidade” do novo ministro das Finanças da Alemanha, diz analista germânico

O politólogo Benjamin Höhne acredita que as políticas seguidas pelo futuro ministro das Finanças alemão, o liberal Christian Lindner (na foto), favorecerão a “continuidade”, mais do que mudança, em relação aos países do sul da Europa como Portugal.
Comentários