Fornecimento de energia restaurado em Nova Iorque após cinco horas de apagão

A falha no fornecimento de energia que ocorreu na noite de sábado em Nova Iorque, nos Estados Unidos, já foi resolvida, ao fim de cinco horas de apagão, informou hoje a companhia de energia Com Edison.

A empresa declarou que a energia foi restaurada para clientes e empresas no centro de Manhattan e no Upper West Side por volta da meia-noite de sábado, horário local (05h00 em Lisboa).

Funcionários da Con Edison afirmaram que problemas numa subestação causaram a falta de energia às 18h47, no horário local (23h47 em Lisboa), afetando 73.000 clientes por cinco horas ao longo de 30 quarteirões, da Times Square à 72ª Street e Broadway, e que atingiu ainda o Rockefeller Center.

As ruas ficaram lotadas de pessoas com telemóveis e lanternas acesas, numa cacofonia de sirenes e buzinas do tráfego que ficou completamente parado. As operações no metro chegaram a ser interrompidas nas estações de Columbus Circle, Rockefeller Center, Hudson Yards e Fifth Avenue, na 53ª Street.

O corte de energia interrompeu as atividades do comércio em geral, como nos restaurantes, e nos espetáculos da Broadway.

A empresa Con Edison declarou que uma investigação determinará a causa exata do apagão, que o governador de Nova York, Andrew Cuomo, classificou de “inaceitável”.

O autarca da cidade de Nova Iorque, Bill de Blasio, deixou a campanha presidencial no estado de Iowa e retornou para a cidade que estava às escuras.

Ler mais
Recomendadas

Espiões russos usaram os Alpes franceses como base para ataques em vários países

Os agentes suspeitos do homicídio de Sergei Skripal no Reino Unido em 2018 passaram por esta região. No total, passaram pelos Alpes 15 operacionais da unidade 29155 da agência de espionagem russa GRU.

Cidade versus campo: Tribunal francês dá razão a 60 patos considerados “barulhentos”

O vizinho argumentou que não conseguia dormir com as janelas abertas, mas o tribunal considerou que estavam asseguradas as devidas distâncias entre as duas propriedades.

FMI aprova segunda fase do programa de Angola e ‘dá’ 222 milhões de euros

O Fundo Monetário Internacional (FMI) aprovou hoje o pagamento de 247 milhões de dólares a Angola, no seguimento da aprovação da segunda avaliação do programa de ajustamento financeiro, num total de 3,7 mil milhões de dólares.
Comentários