Fórum para a Competitividade critica PRR e pede foco na saúde, licenciamentos e turismo

O turismo merece particular destaque na nota de Perspetivas Económicas do Fórum, que relembra que o saldo acumulado da balança turística nos seis anos que antecederam a pandemia é equivalente às transferências europeias para Portugal nos próximos nove anos.

O Fórum para a Competitividade alerta para as insuficiências do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) europeu e do seu ramo nacional, criticando a falta de rumo para além da digitalização e de referências a áreas chave da economia como o turismo ou a indústria agroalimentar.

Na sua nota de Perspetivas Empresarias de abril, divulgada esta quinta-feira, o organismo refere vários sectores e clusters nos quais seria importante apostar, sublinhando o impacto que o turismo teve na prestação da economia nos últimos anos.

Destacando que a atividade turística representou, nos últimos seis anos, os mesmos 60 mil milhões que serão atribuídos a Portugal entre 2021 e 2029, a publicação refere ainda os casos da biotecnologia, tecnologias da saúde, materiais, mobilidade, novas tecnologias e aeronáutica como áreas a desenvolver no tecido produtivo nacional.

Para atingir o difícil objetivo de retoma do sector do turismo já este verão, o órgão sugere que as autoridades portuguesas almejem a vacinar 120% da média europeia, garantindo segurança para os viajantes que escolherem Portugal para passar férias.

Além destas, a indústria portuguesa beneficiaria de uma aposta forte na metalomecânica ligeira, bioquímica, cerâmica, madeira, calçado, automóvel e aeronáutica, têxtil e vestuário farmacêutico, cortiça, ambiente e energia, aponta o think-tank.

Para tal, o Governo é exortado a privilegiar as médias e grandes empresas nacionais, dada a dificuldade das pequenas empresas nacionais em terem processos autónomos, definir “empresas-âncora” em cada sector e cluster e atualizar o sistema de incentivos para considerar igualmente a inovação de processo, em vez de predominantemente a de produto.

Quanto a estes mesmos incentivos, a ideia é que sejam focados na promoção de fusões e aquisições que permitam maior escala e massa crítica, sendo que o Banco de Fomento deveria desempenhar um papel importante na injeção de quasi-capital nas empresas resultantes destas operações.

Na sua apreciação do plano desenhado pela Comissão Europeia para a recuperação económica nacional, o Fórum critica a falta de linhas orientadoras para lá do propósito da digitalização, antecipando que não será com este motor “que nos será permitido atingir os objetivos necessários de crescimento”.

Questionando o papel do Estado como recipiente destes fundos, o órgão sugere que, em vez de se distribuir a totalidade do pacote de forma igual entre as várias componentes do sector público, estes fossem canalizados sobretudo para a área da saúde e do licenciamento. Ao invés, o cenário atual deixa adivinhar “uma pesada herança de custos de funcionamento, insustentáveis sem bazucas adicionais”, dada a falta de metas definidas.

Adicionalmente, o relatório questiona como se processará a digitalização das administrações públicas, às quais é reconhecido um problema gravoso de eficiência.

“Pretende digitalizar-se o complexo de procedimentos existentes?”, questiona o Fórum, indicando a necessidade de uma reforma do Estado e da Justiça que evitem os atuais travões ao investimento.

Ler mais

Recomendadas

PremiumFFMS sinaliza lições da Grande Recessão para a saída da crise

Apesar das diferenças óbvias, existem semelhanças preocupantes entre as crises de 2008 a 2013 e a da Covid-19. Desde logo, o risco de aumento de empresas zombie preocupa Carlos Carreira, coordenador do estudo sobre a Grande Recessão.

Sonae IM investiu 200 milhões de euros em cinco anos em mais de 40 tecnológicas, revela presidente executivo

“Vimos que havia uma oportunidade interessante, uma área de crescimento forte” em empresas de tecnologia, onde se inclui “o benefício que traria aos negócios da Sonae na altura”, conta o presidente executivo, Eduardo Piedade.

PremiumDéfice revisto em alta enquanto dívida diminui ainda mais

Bruxelas espera défice superior face há três meses, mas dívida beneficiará do diferencial taxas de juro-crescimento.
Comentários