França chama embaixadores nos EUA e Austrália de volta ao país em protesto ao novo acordo de submarinos nucleares

O acordo é amplamente visto como um esforço para conter a influência da China no contestado Mar do Sul da China. O anúncio foi feito na quarta-feira pelo presidente dos EUA, Joe Biden, pelo primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, e pelo respetivo homólogo australiano, Scott Morrison.

9 – França

O governo francês disse que está a chamar de volta os seus embaixadores nos EUA e na Austrália para “consultas”, em protesto contra um acordo de segurança bilionário, que consiste na criação da aliança ‘Aukus’, para que a Austrália receba tecnologia que permita desenvolver e construir submarinos nucleares. Paris não gostou de ficar de fora e considera o comportamento dos parceiros estratégicos “inaceitável”, segundo a “BBC”.

O chanceler francês disse que a “decisão excecional” foi justificada pela “gravidade excecional” da situação. A medida irritou a França, por significar o fim de um acordo bilionário que havia assinado com a Austrália.

O acordo é amplamente visto como um esforço para conter a influência da China no contestado Mar do Sul da China. O anúncio foi feito na quarta-feira pelo presidente dos EUA, Joe Biden, pelo primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, e pelo respetivo homólogo australiano, Scott Morrison.

A França foi informada da aliança poucas horas antes de o anúncio público ser feito. Através de um comunicado, o ministro dos Negócios Estrangeiro francês, Jean-Yves Le Drian, descreveu o pacto como uma “facada nas costas” e avisou que os embaixadores estão a ser chamados de volta a pedido do presidente Emmanuel Macron.

O acordo “constitui um comportamento inaceitável entre aliados e parceiros cujas consequências afetam diretamente a visão que temos das nossas alianças, das nossas parcerias e da importância do Indo-Pacífico para a Europa”, disse Le Drian.

Um funcionário da Casa Branca, citado pela “BBC”, disse que o governo Biden lamentava a mudança e entraria em diálogo com a França nos próximos dias para resolverem as suas diferenças.

Por sua vez, a presidente australiana, Marise Payne, disse que compreende a “deceção” do governo francês e espera trabalhar com o país para garantir que compreenda “o valor que atribuímos à relação bilateral”.

A convocação de embaixadores é altamente incomum entre os aliados e acredita-se que seja a primeira vez que a França convoca enviados dos dois países. Diplomatas franceses em Washington já tinham cancelado uma gala para celebrar os laços entre os EUA e a França, marcada para sexta-feira, dia 18 de setembro.

As autoridades francesas ficaram ainda mais furiosas por ouvirem falar sobre o acordo poucas horas antes do anúncio público, e era parte de um novo acordo de segurança envolvendo três países, incluindo o Reino Unido – também uma surpresa completa, disseram eles.

O novo acordo significa que a Austrália se tornará apenas a sétima nação do mundo a operar submarinos com propulsão nuclear. Também verá os aliados compartilharem capacidades cibernéticas, inteligência artificial e outras tecnologias submarinas.

O anúncio encerrou um negócio no valor de 37 mil milhões de dólares (31,5 mil milhões de euros) que a França havia assinado com a Austrália em 2016 para construir 12 submarinos convencionais. A China, entretanto, acusou as três potências envolvidas no pacto de terem uma “mentalidade de Guerra Fria”.

Recomendadas

Rússia e NATO trocam expulsões e tensão aumenta

O pessoal da missão militar da NATO em Moscovo vai ter de abandonar o país, como retaliação às anteriores expulsões de membros da missão russa junto da NATO.

“A Arte da Guerra”. “Candidato da extrema-direita defende que França será islamizada por uma invasão de natureza árabe”

“Zemmour tem um discurso excessivamente radical para um candidato que possa ir ao centro. A grande tese que ele defende é que uma grande invasão de natureza árabe, com uma visão totalitária da sociedade, vai islamizar a França”, sublinhou Seixas da Costa no programa da JE TV.

“A Arte da Guerra”. “Zemmour? Em França, há muita gente à direita que nunca votará Le Pen”

O surgimento de um novo protagonista nas presidenciais francesas foi um dos temas em análise por parte do embaixador Francisco Seixas da Costa, na última edição do programa da plataforma multimédia JE TV.
Comentários