França terá novo primeiro-ministro “nas próximas horas”

O primeiro-ministro francês, Édouard-Philippe, apresentou esta manhã a demissão do seu Governo acelerando o calendário da remodelação do executivo francês, que já estava em curso informalmente, e a escolha do seu sucessor deve ser conhecida “nas próximas horas”.

Juan Ignacio Roncoroni / EPA

Segundo comunicado do Palácio do Eliseu, o Presidente deverá nomear “nas próximas horas” um novo primeiro-ministro e pedir-lhe que forme um novo Governo, que se espera que tome posse até ao final da próxima semana.

A demissão de Édouard Philippe veio acelerar a especulação que o agora ex-primeiro-ministro não deve conduzir a remodelação governamental. Ao mesmo tempo, o conselho municipal do Havre, cidade onde foi eleito presidente da Câmara no domingo passado, terá o seu conselho eletivo este sábado, permitindo a Philippe assumir funções como autarca.

Para além disso, os meios de comunicação franceses dão conta de uma correção feita à entrevista do Presidente Emmanuel Macron publicada hoje pelos meios de comunicação locais em que, numa primeira versão, o líder francês teria indicado com certeza a recondução do primeiro-ministro com a resposta a ser substituída por uma afirmação mais vaga.

O Presidente defenderá “um novo caminho” para o seu mandato através da reconstrução “económica, social, ambiental e cultural” do país.

Alguns dos nomes avançados para o lugar de primeiro-ministro incluem Jean-Yves Le Drian, atual ministro dos Negócios Estrangeiros, ou Florence Parly, atual ministra da Defesa, mas outros podem surgir.

A remodelação adivinha-se assim de grande amplitude e acontece depois de vários encontros do Presidente com figuras de destaque como os seus predecessores, Nicolas Sarkozy e François Hollande, mas também com autarcas e ainda os líderes da Assembleia Nacional e do Senado, assim como o presidente do Conselho Económico, Social e Ambiental.

Para substituir as várias baixas, o Presidente terá em mente perfis próximos da esquerda, nomeadamente personalidade envolvidas nos combates ecológicos e também tentará trazer mais mulheres com papéis de maior destaque para o Executivo.

A mudança de Governo era esperada após a segunda volta das eleições municipais de 28 de junho, marcada por uma forte abstenção, um revés para o partido presidencial e um impulso dos ecologistas nos centros urbanos.

Edouard Philippe, primeiro-ministro mais popular que Emmanuel Macron, de acordo com as sondagens, chegou da direita e nunca se juntou ao partido República em Marcha, do Presidente Macron.

Ler mais
Relacionadas

Primeiro-ministro francês apresenta demissão

Emmanuel Macron aceitou a renúncia de Édouard Philippe, que irá assegurar “o tratamento dos assuntos correntes até a nomeação do novo governo”, de acordo com a Presidência.
Recomendadas

Ex-ministro da saúde de Bolsonaro critica “frieza excessiva” do presidente na gestão da pandemia

O primeiro dos três ministros que Jair Bolsonaro já apontou para a pasta da saúde lançou um livro no qual aborda a gestão brasileira da pandemia, deixando fortes críticas à atuação do presidente.

EUA: novos pedidos de subsídio de desemprego estagnam à volta dos 800 mil pela quinta semana

A recuperação do mercado laboral norte-americano parece estagnar ligeiramente, isto numa altura em que mais de 11 milhões de pessoas continuam a beneficiar do apoio federal ao desemprego.

Trump gastou mais de 30 mil euros em campanha de desinformação sobre Biden no Facebook

A campanha de Donald Trump está a tentar enganar os cibernautas e fazê-los acreditar que na noite do debate de terça-feira Joe Biden utilizava um auricular. Acusações semelhantes foram feitas a Hillary Clinton e George W. Bush no passado.
Comentários