França vai reduzir dependência nuclear e aumentar participação na EDF

França avança com planos de fechar centrais nucleares e diminuir a dependência na energia nuclear até 50%.

França vai reduzir gradualmente a sua dependência em energias nucleares para 50% até 2035, mas só vai fechar duas centrais nucleares antes do final do mandato presidencial em 2022, disse o presidente francês, Emmanuel Macron, esta terça feira.

Uma fonte próxima do palácio presidencial do Eliseu revelou que o governo também considerará aumentar a participação do estado para 83,7% na EDF (Électricité de France) e pedirá à empresa que considere propostas sobre a mudança de estrutura, noticia a agência ”Reuters”.

A mesma fonte disse que qualquer alteração na estrutura proposta pela EDF teria que preservar a integridade da distribuidora e alocar financiamento adequado para cada uma de suas atividades.

“O estado vai considerar aumentar sua participação no capital da empresa, em linha com os desafios e riscos ligados à atividade nuclear”, afirmou a fonte que se recusou a ser mais específica. No entanto, especialistas do setor esperam que a EDF possa colocar as suas atividades nucleares numa unidade legal separada, na qual o estado poderia aumentar sua participação para 100%.

Macron já tinha prometido que 14 das 58 centrais nucleares da EDF seriam encerradas até 2035. Entre quatro a seis fechariam portas antes de 2030, duas em 2027-2028 e possivelmente outras duas em 2025-2026, caso isso não comprometa a segurança do fornecimento de energia.

Relacionadas

França mantém intenção de aumentar impostos sobre os combustíveis

O anúncio foi feito hoje de manhã pelo porta-voz do Governo francês, Benjamin Griveaux, numa conferência de imprensa após a reunião do Conselho de Ministros.

Brexit: Macron alerta para necessidade de refundação da Europa

O Presidente francês, Emmanuel Macron, defendeu hoje que o ‘Brexit’ é a prova de que a União Europeia (UE) é frágil e que precisa de ser refundada, em declarações à chegada do Conselho Europeu em Bruxelas.

Manifestações em Paris: Macron condena violência

Segundo os últimos dados divulgados pelo ministro do Interior, hoje à tarde foram registados exatamente 106.301 manifestantes com “coletes amarelos” em toda a França, quando há uma semana eram 282.710.
Recomendadas

Tarifas de eletricidade baixam 3% no mercado regulado. Saiba quanto vai descer a sua fatura

A partir do dia 7 de abril os consumidores do mercado regulado, que ainda não optaram por um comercializador do mercado livre, vão ter reduções na tarifa aplicada ao consumo de eletricidade, anuncia o regulador ERSE.

OZ Energia baixa preço do gás de garrafa e reforça serviço de entregas

Nas últimas semanas, com os portugueses em casa, a procura aumentou e, “apesar da recente quebra do preço do petróleo ainda não ter tido tempo para se reflectir no preço final ao consumidor, a OZ Energia, optou já por descer o preço do gás em garrafa para os seus clientes”, diz a empresa do Grupo Manuel Champalimaud.

Tuítes de Trump e possível reunião da OPEP levam preço do Brent a superar os 34 dólares

Os tuítes de Donald Trump contribuíram para fazer subir as cotações do petróleo. O antigo ministro da Indústria e Energia, Mira Amaral, comentou ao JE que o presidente dos EUA “encara os assuntos internacionais quase numa lógica de gestão empresarial”. No entanto, contactada pela agência Bloomberg, a Casa Branca não comentou os tuítes. Resta saber como será o resultado da próxima reunião da OPEP+, agendada para a próxima segunda-feira, 6 de abril.
Comentários