Frente Comum: “Não é com 50 milhões que se faz aumento de salários”

”Eu estou a ler o Orçamento de Estado. Estou aqui às voltas e não consigo descobrir o dinheiro dos salários, ele deve estar em algum sítio” , revelou Ana Avoila, em declarações ao Jornal Económico.

Ana Avoila, dirigente da Frente Comum, referiu, esta terça-feira, 16 de outubro, que ainda não foi apresentada uma proposta em concreto para aumentar os salários dos trabalhadores da Função Pública. Isto, pouco depois da apresentação do Orçamento do Estado para o próximo ano (OE2019).

”Eu estou a ler o Orçamento de Estado. Estou aqui às voltas e não consigo descobrir o dinheiro dos salários, ele deve estar em algum sítio” , revelou Ana Avoila, em declarações ao Jornal Económico, numa altura em que a dirigente ainda está a analisar o documento que foi entregue na noite passada na Assembleia da República.

”Creio que Mário Centeno reafirmou os 50 milhões para fazer os aumentos de salários na Função Pública. Não é aceitável, pois afasta-se completamente das propostas que os sindicatos fizeram. O Governo nem sequer as leu. Não é com 50 milhões de euros que se fazem aumentos de salários” afirmou a dirigente. ”O salário mínimo é sempre bom quando aumenta, mas não estou satisfeita.” rematou.

Esta manhã, na conferência de imprensa de apresentação do OE2019, o ministro das Finanças português, Mário Centeno, confirmou que há uma verba de 50 milhões de euros destinada aos aumentos dos trabalhadores do Estado.

Relacionadas

Governo prevê 50 milhões de euros para aumentos na Função Pública

Neste orçamento, o Executivo prevê um total de 800 milhões de euros para remunerações na Administração Pública. Os números foram avançados esta terça-feira pelo ministro das Finanças, que considera “um esforço enorme no orçamento sobre as remunerações dos funcionários públicos”.

Mário Centeno: OE2019 “define um marco histórico para Portugal”

O ministro das Finanças apresenta esta terça-feira ao país, em conferência de imprensa, o Orçamento do Estado para 2019.

CIP diz que as empresas foram esquecidas no orçamento do próximo ano

O presidente da Confederação Empresarial de Portugal, António Saraiva, disse hoje que mais uma vez as empresas foram esquecidas no Orçamento do Estado para o próximo ano, bem como as propostas apresentadas pela CIP.
Recomendadas

Portugal terá a ganhar com acordo tributário global, diz ministro das Finanças

João Leão ressalva, contudo, ser “prematuro retirar consequências diretas para Portugal” deste compromisso, uma vez que este dependerá da forma como a criação de uma taxa mínima global sobre os lucros daquelas empresas e a atribuição de direitos fiscais aos países onde as empresas operam e não apenas onde estão sedeadas se irão articular e também de questões que precisam ainda de ser consensualizadas.

Detalhes são importantes na continuação de acordo tributário do G7, dizem especialistas

No passado fim de semana, os países que integram o G7 alcançaram um acordo sobre a reforma do sistema tributário mundial que prevê uma taxa de imposto mínima de 15% sobre as empresas e que as multinacionais paguem impostos nos países onde obtêm receitas e lucram e não apenas naquele (s) onde estão sedeadas.

PremiumPatrões e sindicatos: resposta à crise não foi suficiente

Desde a burocracia excessiva no acesso aos apoios à insuficiência das medidas para proteger rendimentos e empresas, tanto patrões, como sindicatos apontam falhas no primeiro ano de João Leão à frente das Finanças portuguesas.
Comentários