Frustração no trabalho atinge 92% dos portugueses, diz estudo

Estudo europeu coloca os trabalhadores de escritório portugueses entre aqueles com mais descontentamento em relação ao local de trabalho.

A maioria (92%) dos trabalhadores de escritório em Portugal sentem-se frustrados, conclui um estudo realizado pela empresa de material de escritório Staples. No concreto, 84% dos inquiridos pensa em mudar de emprego e um em dez pensa nisso constantemente.

Como forma de atenuar a frustração, 22% olham para anúncios de emprego, enquanto 15% sonham com uma escapadela até à praia e outros 15% queixam-se a alguém. Um em cada cinco acaba mesmo por procurar anúncios de emprego no LinkedIn.

Segundo o estudo, a mudança de empregos é frequente, estimando-se que os trabalhadores entre os 18 e os 48 anos venham a ter em média 11,7 empregos. “A expectativa de melhores condições no local de trabalho deixa a maioria dos trabalhadores de escritório a considerar uma mudança de emprego. No entanto, quando estes mudam de empregador, muitos apenas experimentam uma alteração de curto prazo”. Sol de pouca dura, dado que 23% fica frustrado no seu novo escritório logo nos primeiros seis meses após a mudança.

O estudo comprova a existência de “uma relação importante entre as condições do escritório, as pessoas que o frequentam e a sua inclinação para se manter no emprego”, com nove em dez (87%) trabalhadores a considerar que “um local de trabalho funcional e atrativo encoraja” a sua retenção.

Apesar da frustração, a maioria diz procurar realização (91%) no trabalho e, para a maioria (87%), a qualidade do local de trabalho em si é um fator que contribui para a sua satisfação. Isto leva a concluir que “muitos locais de trabalho simplesmente não estão à altura”.

Recomendadas

Portugal continua com menos gente e cada vez mais velho

Uma população mais pequena, mais idosa, mas com poucas diminuições na percentagem em risco de pobreza. Tendência de decréscimo populacional e envelhecimento poderia ser ainda mais notória, não fosse o saldo migratório

Exportações de vestuário caem 43% em maio

A tendência de queda manteve-se em maio, com a indústria de vestuário a ter uma queda de 43% de envios para o exterior. Desde o início do ano, as empresas do setor perderam mais de 300 milhões de euros em exportações.

Vice-presidente da Comissão Europeia concorda com preocupações da CIP

Carta enviada em abril por António Saraiva a Ursula von der Leyen obteve resposta do seu “vice”. Valdis Dombrovskis defende “que a Europa deve estar equipada com os instrumentos necessários para enfrentar as consequências económicas e sociais da crise”.
Comentários