“Fuga de investidores” leva Navigator a cair a pique, perdendo mais de 18%

O desempenho da Navigator na praça nacional é uma reação às taxas anti-dumping colocadas pelos Estados Unidos, que aplicaram uma taxa anti-dumping de 37,34% retroativa ao à matéria-prima das papeleiras, também vendida pela portuguesa Navigator entre agosto de 2015 e fevereiro de 2017.

As ações da Navigator desvalorizam 18,20% na praça lisboeta, para 4,08 euros, numa altura em que a empresa de pasta e papel poderá ver o lucro líquido deste ano reduzido em 45 milhões de euros e o EBITDA (lucros antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) em 66 milhões de euros, devido à atualização da taxa anti-dumping pelos Estados Unidos da América (EUA).

O desempenho da Navigator na praça nacional é uma reação às taxas anti-dumping colocadas pelos Estados Unidos. “Apesar da empresa portuguesa avançar com ‘reclamação’ aos EUA, enquanto não houver um fecho do tema, podemos continuar a assistir à fuga dos investidores da empresa”, explica a senior broker da XTB, Carla Maia Santos.

Os EUA decidiram aplicar uma taxa anti-dumping de 37,34% retroativa ao papel vendido pela portuguesa Navigator entre agosto de 2015 e fevereiro de 2017. Durante esse período, a taxa provisória e sob revisão era de 0% pelo que a Navigator irá contestar a decisão, segundo anunciou em comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), divulgado este fim de semana.

O receio de quebra nos cofres da Navigator é agora uma evidência, o que se reflete em bolsa. No início do ano uma ação papeleira valia 4,25 euros, sendo que a 13 junho a cotada estabeleceu um máximo histórico, ao colocar cada título a valer 5,98 euros. Apesar de, pelas 9h40, cada ação da navigator valer 4,08 euros, o mínimo do ano foi registado a 9 de fevereiro, quando os títulos da cotada valiam 4,02 euros. A Navigator segue com uma capitalização de mais de três mil milhões de euros.

Segundo as contas da própria empresa, à taxa de câmbio atual, este é o impacto estimado de uma decisão “intencional” com “o objetivo de aumentar a taxa final sobre vendas de papel Navigator para os EUA”. Na nota ao regulador do mercado, a empresa liderada por Diogo Rodrigues de Silveira informou que vai recorrer dessa decisão e interpor uma providência cautelar para impedir a Alfândega dos EUA de aplicar a nova taxa sobre as importações efetuadas durante o primeiro período de revisão.

No segundo trimestre deste ano, o lucro líquido da papeleira disparou 24,3%, em termos homólogos para 66,2 milhões de euros, beneficiando das subidas dos preços. “Importa referir que, apesar da manutenção das expectativas positivas para o crescimento das principais economias mundiais, em particular para a economia norte-americana e europeia, existe também uma crescente volatilidade nos mercados, fruto dos receios das potenciais consequências do aumento das tensões comerciais”, adiantou a Navigator, aquando da divulgação dos seus últimos resultados e contas.

Ler mais

Relacionadas

Lira turca arrasa bolsas europeias. PSI 20 não é exceção e cai 2,54%

A moeda de Ancara perde mais de 6% face ao dólar e ao euro. A Navigator lidera as desvalorizações na praça lisboeta, ao afundar 18,20%, para 4.0800 euros.

Navigator em risco de perder 45 milhões de euros de lucro devido a taxa nos EUA

Guerra comercial chegou ao papel português. O Departamento do Comércio decidiu aplicar uma taxa de 37%, quando a esperada era 0%, numa decisão que a papeleira considera “intencional” e que vai contestar.

Navigator cai 3,81% com receio de quebra no lucro devido à taxa dos EUA

A empresa de pasta e papel arrancou a sessão bolsista da semana com uma desvalorização de mais de 3%, para 8,7700 euros, depois de vir a público a atualização da taxa norte-americana ‘anti-dumping’.

Bolsa de Lisboa acompanha Europa e abre a perder

O PSI 20 caiu 0,81%, para 5.583,22 pontos. As restantes praças europeias abriram, da mesma forma, em baixa, devido à crise na lira turca.
Recomendadas

BNI Europa agravou prejuízos para 6,6 milhões de euros até junho

O ativo líquido total era em junho passado de 351,5 milhões de euros, neste caso menos 66,5 milhões de euros face a junho de 2019.

Banco de Portugal obriga financeiras em regime de livre prestação de serviços a reporte

Centenas as instituições estão registadas em Portugal como instituições de crédito da União Europeia em regime de livre prestação de serviços e entidades de moeda eletrónica com sede na Europa em regime de livre prestação de serviços, caso dos bancos digitais N26, Openbank ou Revolut.

Transportes Metropolitanos de Lisboa aprovado pelo Conselho Metropolitano

A Área Metropolitana de Lisboa detém a totalidade da empresa, que vai o património da empresa OTLIS – Operadores de Transportes da Região de Lisboa.
Comentários