“Fuga de investidores” leva Navigator a cair a pique, perdendo mais de 18%

O desempenho da Navigator na praça nacional é uma reação às taxas anti-dumping colocadas pelos Estados Unidos, que aplicaram uma taxa anti-dumping de 37,34% retroativa ao à matéria-prima das papeleiras, também vendida pela portuguesa Navigator entre agosto de 2015 e fevereiro de 2017.

As ações da Navigator desvalorizam 18,20% na praça lisboeta, para 4,08 euros, numa altura em que a empresa de pasta e papel poderá ver o lucro líquido deste ano reduzido em 45 milhões de euros e o EBITDA (lucros antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) em 66 milhões de euros, devido à atualização da taxa anti-dumping pelos Estados Unidos da América (EUA).

O desempenho da Navigator na praça nacional é uma reação às taxas anti-dumping colocadas pelos Estados Unidos. “Apesar da empresa portuguesa avançar com ‘reclamação’ aos EUA, enquanto não houver um fecho do tema, podemos continuar a assistir à fuga dos investidores da empresa”, explica a senior broker da XTB, Carla Maia Santos.

Os EUA decidiram aplicar uma taxa anti-dumping de 37,34% retroativa ao papel vendido pela portuguesa Navigator entre agosto de 2015 e fevereiro de 2017. Durante esse período, a taxa provisória e sob revisão era de 0% pelo que a Navigator irá contestar a decisão, segundo anunciou em comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), divulgado este fim de semana.

O receio de quebra nos cofres da Navigator é agora uma evidência, o que se reflete em bolsa. No início do ano uma ação papeleira valia 4,25 euros, sendo que a 13 junho a cotada estabeleceu um máximo histórico, ao colocar cada título a valer 5,98 euros. Apesar de, pelas 9h40, cada ação da navigator valer 4,08 euros, o mínimo do ano foi registado a 9 de fevereiro, quando os títulos da cotada valiam 4,02 euros. A Navigator segue com uma capitalização de mais de três mil milhões de euros.

Segundo as contas da própria empresa, à taxa de câmbio atual, este é o impacto estimado de uma decisão “intencional” com “o objetivo de aumentar a taxa final sobre vendas de papel Navigator para os EUA”. Na nota ao regulador do mercado, a empresa liderada por Diogo Rodrigues de Silveira informou que vai recorrer dessa decisão e interpor uma providência cautelar para impedir a Alfândega dos EUA de aplicar a nova taxa sobre as importações efetuadas durante o primeiro período de revisão.

No segundo trimestre deste ano, o lucro líquido da papeleira disparou 24,3%, em termos homólogos para 66,2 milhões de euros, beneficiando das subidas dos preços. “Importa referir que, apesar da manutenção das expectativas positivas para o crescimento das principais economias mundiais, em particular para a economia norte-americana e europeia, existe também uma crescente volatilidade nos mercados, fruto dos receios das potenciais consequências do aumento das tensões comerciais”, adiantou a Navigator, aquando da divulgação dos seus últimos resultados e contas.

Ler mais

Relacionadas

Lira turca arrasa bolsas europeias. PSI 20 não é exceção e cai 2,54%

A moeda de Ancara perde mais de 6% face ao dólar e ao euro. A Navigator lidera as desvalorizações na praça lisboeta, ao afundar 18,20%, para 4.0800 euros.

Navigator em risco de perder 45 milhões de euros de lucro devido a taxa nos EUA

Guerra comercial chegou ao papel português. O Departamento do Comércio decidiu aplicar uma taxa de 37%, quando a esperada era 0%, numa decisão que a papeleira considera “intencional” e que vai contestar.

Navigator cai 3,81% com receio de quebra no lucro devido à taxa dos EUA

A empresa de pasta e papel arrancou a sessão bolsista da semana com uma desvalorização de mais de 3%, para 8,7700 euros, depois de vir a público a atualização da taxa norte-americana ‘anti-dumping’.

Bolsa de Lisboa acompanha Europa e abre a perder

O PSI 20 caiu 0,81%, para 5.583,22 pontos. As restantes praças europeias abriram, da mesma forma, em baixa, devido à crise na lira turca.
Recomendadas

PremiumRangel Pharma vai investir mais 12 milhões de euros

Após dez anos de atividade na logística farmacêutica, Nuno Rangel, CEO do Grupo Rangel, revela um plano de investimentos a cinco anos para quase duplicar a área de armazenagem e criar mais 130 empregos em Portugal.

PremiumCEO da Unicre: “Depois do Porto, estamos em conversas para pagamento ‘contactless’ nos transportes em Lisboa”

Pioneira nos cartões de crédito em Portugal, a Unicre lança um ‘rebranding’ para salientar a base digital, atrair clientes jovens e abrir portas a mercados internacionais, revela o presidente da empresa, João Baptista Leite.

PremiumTesla tem bateria de sobra para dar mais energia às ações

Em 2020, os títulos da Tesla já valorizaram mais 36%. Ao Jornal Económico, o banco de investimento Jefferies explica que a elétrica de Elon Musk tem muito mais para dar para além dos carros.
Comentários