Funchal: Coligação PSD/CDS defende revisão imediata do PDM

O candidato voltou a deixar a promessa aos construtores e aos promotores que terão uma resposta mais célere, em 60 dias, aos seus projetos, sublinhando que deixa de haver espera prolongada, de mais de três anos, que inviabiliza o crescimento da cidade do Funchal.

A candidatura ‘Funchal Sempre à Frente’ à Câmara Municipal do Funchal (CMF), liderada por Pedro Calado, assume que  a revisão do Plano Director Municipal (PDM) é um dos primeiros atos a pôr em prática após as eleições.

“Quando saímos da CMF em 2013, deixamos o documento pronto para ser implementado. Com a governação socialista na CMF o que se verificou logo foi um atraso de cinco anos. O PDM só foi revisto entre 2017 e 2018 e essa alteração veio piorar muito o que nós tínhamos preparado em 2013”, salienta Pedro Calado.

O candidato da coligação PSD/CDS vinca que as zonas altas das freguesias de São Martinho, Santo António e São Roque foram as mais afetadas. “Hoje as famílias querem legalizar as construções que já existiam e não conseguem porque o atual plano não permite”, refere.

Outra situação apontada pelo candidato é o facto do atual  plano criar espaços verdes (Santo António) onde antes havia permissão de índice de construção elevado e noutras foram transformadas em zonas agrícolas (São Martinho).

O cabeça-de-lista à CMF pela coligação do PSD/CDS refere ainda outra situação que considera que funciona mal na autarquia: o atraso na aprovação de projetos por parte do Departamento do Urbanismo.

“Temos que dar uma volta de 180 graus. Não podemos ter os promotores a querer investir numa cidade, a querer criar postos de trabalho e uma autarquia que demora, dois a três anos, para dar resposta aos processos”, criticou.

A candidatura ‘Funchal Sempre à Frente’ promete uma linha verde em termos de legalização de projetos. Pedro Calado que escolheu o Pico dos Barcelos para fazer campanha esta quarta-feira, 15 de setembro, sobre o tema do urbanismo, assegura que tem na sua equipa um candidato experiente, que já foi vereador, o engenheiro João Rodrigues, “que é talvez um dos técnicos mais credenciados do país em termos de urbanismo”.

“Ele sabe perfeitamente o que é necessário ser implementado”, frisou Pedro Calado.

O candidato voltou a deixar a promessa aos construtores e aos promotores que terão uma resposta mais célere, em 60 dias, aos seus projetos, sublinhando que deixa de haver espera prolongada, de mais de três anos, que inviabiliza o crescimento da cidade do Funchal.

Recomendadas

Qual o balanço dos partidos sobre os resultados eleitorais?

Na generalidade, os líderes dos partidos com representação no Parlamento consideraram que alcançaram os objetivos a que se propuseram, embora também alguns representantes partidários tenham assumido que os resultados ficaram “aquém dos esperado”.

“É muito difícil não ver na conquista de Lisboa alguns indícios preocupantes para o PS”, avalia subdiretor do JE

A capital protagonizou a grande surpresa da noite com a vitória de Carlos Moedas. Na análise aos resultados das eleições autárquicas, Leonardo Ralha, subdiretor do JE, considera que, apesar da ganhar a maioria das autarquias do país, os socialistas vão ter que analisar este resultados e perceber se refletem o desgaste do próprio Governo.
Cartazes de Carlos Moedas e Fernando Medina

Nenhum candidato chegou aos 100 mil votos pela primeira vez desde que há eleições autárquicas

Carlos Moedas e Fernando Medina protagonizaram a primeira disputa pela Câmara de Lisboa, com a exceção das intercalares de 2007, em que não houve qualquer candidato a chegar à centena de milhar de eleitores. Para trás ficam as enormes vitórias, acima dos 200 mil votos, que dos dois lados do espectro político ocorreram em 1979 e 1993.
Comentários