Fundação Calouste Gulbenkian oferece material de diagnóstico do cancro a Cabo Verde

O material foi enviado para o Hospital Agostinho Neto, na Praia, e consiste em equipamentos e consumíveis, que vão permitir a realização de até 300 biopsias mamárias.

Cristina Bernardo

A Fundação Calouste Gulbenkian ofereceu um conjunto de equipamentos e consumíveis para melhorar o diagnóstico do cancro da mama em Cabo Verde, informou a instituição. Segundo a fundação, o apoio insere-se no projeto de melhoria do diagnóstico e tratamento das doenças oncológicas em Cabo Verde, criado em 2018.

O material foi enviado para o Hospital Agostinho Neto, na Praia, e consiste em equipamentos e consumíveis, que vão permitir a realização de até 300 biopsias mamárias (e outras) por agulha grossa (Core Biopsy), contribuindo para reforçar a capacidade de diagnóstico oncológico, neste caso do cancro da mama, no país.

“O material vai permitir melhorar a qualidade e segurança dos procedimentos pois é realizado em regime de ambulatório com anestesia local, ao contrário da biopsia excisional, método mais invasivo”, salientou a fundação.

Além do reforço do equipamento clínico especializado, o apoio prevê a realização de estágios de formação de profissionais de saúde de

Cabo Verde em Portugal e de profissionais formados em Cabo Verde por profissionais de saúde portugueses.

O projeto de melhoria do diagnóstico e tratamento das doenças oncológicas nos hospitais Agostinho Neto, na Praia, e Baptista de Sousa, no Mindelo, insere-se no Plano Estratégico Nacional de Controlo do Cancro 2018-2022 de Cabo Verde.

Segundo dados disponibilizados em fevereiro pelo Instituto Nacional de Saúde Pública (INSP) cabo-verdiano, o cancro mata por ano uma média de 300 pessoas em Cabo Verde, representando a segunda causa de morte e de deslocação de doentes no país.

De acordo com a mesma fonte, os cancros mais prevalentes no país são o da mama, do colo do útero, do aparelho digestivo e da próstata, sendo que os homens são os que mais sofrem com a doença no país.

O instituto cabo-verdiano adiantou que apenas 10% dos cancros advém de causas hereditárias, enquanto os restantes 90% são devido a causas esporádicas controláveis.

“O cancro é consequência daquilo que nós fazemos”, salientou o INSP, considerando, por isso, que há um grande trabalho a ser feito na sensibilização da população sobre os factores de risco, que tem a ver com a alimentação inadequada, a falta de actividade física, a obesidade, entre outros.

“Reconhece-se que há necessidade de melhorar o diagnóstico, o tratamento e os cuidados paliativos, pois, mais de 60% dos cancros são diagnosticados em estado avançado da doença”, salientou o INSP.

Ler mais
Recomendadas

Índice de volume de negócios de Cabo Verde cai 50% no segundo trimestre

Já as remunerações brutas registaram uma diminuição de 25,4% em termos homólogos e 27,6% em termos trimestrais, segundo os dados do INE cabo-verdiano.

Nasceu a associação para apoiar os jovens advogados dos países lusófonos

“É intenção da Associação Internacional de Jovens Advogados de Língua Portuguesa colaborar com os diferentes intervenientes da comunidade jurídica no sentido de dar apoio à integração e formação dos jovens advogados e advogados estagiários no contexto da CPLP”, diz o presidente ao Jornal Económico.

Dívida pública de Cabo Verde cresceu 1,5% em três meses e renova máximos

O ‘stock’ da dívida pública cabo-verdiana aumentou 1,5% de abril a junho, ultrapassando os 2.236 milhões de euros, equivalente a um novo máximo histórico de quase 135% do Produto Interno Bruto (PIB) cabo-verdiano, segundo dados oficiais.
Comentários