PremiumFundo dos lesados avança para tribunal contra KPMG, administradores da auditora e gestores do BES

Fundo dos lesados avança este ano com ações contra 13 gestores do BES e a auditora KPMG, exigindo 500 milhões de euros a cada um.

Rafael Marchante/Reuters

O fundo que representa os lesados do Banco Espírito Santo (BES) vai avançar ainda este ano com ações judiciais no valor de nove mil milhões de euros, contra um conjunto de pessoas e entidades que responsabiliza pela queda do banco. Na lista de visados estão a auditora KPMG, o seu presidente Sikander Sattar e dois dos seus administradores, bem como todos os elementos da administração do banco falido liderado por Ricardo Salgado. Cada um dos visados será alvo de uma acção judicial de cerca de 500 milhões de euros,  revelou ao Jornal Económico fonte próxima do Fundo de Recuperação de Créditos de clientes do BES.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Relacionadas

Ex-administrador do BES quer que BdP e KPMG indemnizem Estado em 4,3 mil milhões de euros

O ex-administrador financeiro do BES Amílcar Morais Pires vai entrar esta sexta-feira com uma ação popular contra o Banco de Portugal (BdP) e a KPMG, para pedir que indemnizem o Estado em 4,3 mil milhões de euros.

Fundos lesados com obrigações sénior do Novo Banco em 2015 põem ação contra o Estado no Tribunal Administrativo

Os autores da ação contra o Estado são a Pimco, o fundo soberano do Kuwait e o fundo de pensões da IBM. Em causa está a transmissão de cinco séries de obrigações séniores do Novo Banco para o BES ordenada pelo Banco de Portugal (autoridade de resolução) no fim de 2015.
Recomendadas

PremiumPor trás dos números – Os ‘Midas’ e a arte de bem investir

Foi a paixão pelos números que os levou a querer perceber o que explica as oscilações das ações. Habituados a lidar com a alta pressão, os analistas de mercados são inundados por avalanchas de dados financeiros, que analisam para acautelar e valorizar os investimentos dos clientes. Consideram que há excesso de regulação e que a tecnologia prejudicou os pequenos investidores.

PremiumEike Batista – O empresário que perdeu 35 mil milhões num ano

O empresário é um dos sete filhos de uma alemã e de um brasileiro. Nasceu no Brasil, cresceu na Europa e criou um império de negócios com empresas mineiras e de construção. Faliu em 2013 e já foi preso no âmbito da operação Lava-Jato.

PremiumDiversificação vai chegar ao arquipélago das oportunidades

Pesca e turismo têm grande peso na economia açoriana, mas o mote é ampliar o potencial do arquipélago. O rácio de criação de empresas continua a ser o mais elevado do país.
Comentários