Fusão do Deutsche Bank e Commerzbank animou Wall Street em véspera de reunião da Fed

No Dow, destaque para a Boeing que não acompanhou a tendência de subida. A construtora de aviões norte-americana caiu 2% e desde da queda do voo da Ethiopian Air já acumulou perdas de mais 10%.

Andrew Kelly/Reuters

Os três principais índices da bolsa de Nova Iorque fecharam a primeira sessão da semana em terreno positivo, depois de uma tendência indefinida na abertura.

Esta segunda-feira, o S&P subiu 0,38%, para 2,833.12 pontos, e já está a 3,4% dos máximos históricos de setembro; o industrial Dow Jones valorizou 0,25%, para 25.914,10 pontos; e o tecnológico Nasdaq ganhou 0,26% pontos para 7.326,28 pontos.

Em declarações à agência Reuters, Peter Tuz, presidente do Chase Investment Counsel, do estado da Virginia, referiu que “o mercado teve um rebound tremendo e agora [os investidores] estão expectativa para ver o que acontece” (tradução livre).

Na banca, as notícias da fusão entre o Deutsche Bank e o Commerzbank animaram os bancos cotados na bolsa de Nova Iorque. As ações do Goldman Sachs e do Citigroup subiram 2,2% e 1,2% respetivamente depois de se saber que estão a trabalhar na operação alemã.

No Dow, destaque para a Boeing que não acompanhou a tendência de subida. A construtora de aviões norte-americana caiu 2% depois de se saber que a aprovação do modelo 737 Max pela Administração Federal de Aviação está a ser investigada.

A Boeing prolongou assim a trajetória negativa, iniciada depois do desastre do voo da Ethiopian Air no passado dia 10. Desde então, a maior construtora de aviões do mundo já acumulou perdas de 10,3%.

Destaque negativo também para as ações da rede social Facebook. A Comissão Europeia disse que “a certa altura, teremos de legislar” sobre as big tech e as redes sociais para proteger os cidadãos. As ações da empresa fundada por Mark Zuckerberg perderam 3,1%.

O setor tecnológico foi empurrado pela Apple depois de ter surpreendido o mercado ao anunciar a nova gama de iPads antes do dia 25 de março, a data inicialmente prevista. Os títulos daquela que já foi a empresa mais valiosa do mundo em bolsa subiram 0,9%.

Nas matérias-primas, o preço do petróleo está a subir. Em Londres, o Brent do Mar do Norte, está a valorizar 0,36%, para 67,40 dólares, enquanto nos Estados Unido, o West Texas Intermediate  avança 0,73%, para 58,95 dólares.

Ler mais
Relacionadas

EUA investigam processo de aprovação do Boeing 737 MAX

Este é um processo considerado incomum, no qual as autoridades dos transportes aéreos tentam determinar se existiram possíveis falhas nas aprovações federais de segurança para as novas aeronaves, do modelo do Boeing 737 MAX 8.

Fusão do Deutsche Bank e Commerzbank coloca em perigo 30 mil empregos

A possibilidade de uma fusão de ambas as instituições, tema primeiramente espoletado em 2016, tem suscitado dúvidas junto dos acionistas e dos sindicatos, após a confirmação de que estão a decorrer negociações nesse sentido.

Peritos franceses apontam semelhanças entre dois acidentes com Boeing 737 MAX

Os dois aparelhos, da Ethiopian Airlines e da Lion Air, registaram subidas e descidas irregulares logo após a descolagem.
Recomendadas

Wall Street animada à espera de boa época de resultados

Setor tecnológico impulsiona Nasdaq e o mercado antecipa que as empresas que vão apresentar os resultados do segundo trimestre aumentem os lucros em 1%. O mercado também espera que a Fed corte as taxas de juro depois da reunião de julho, o que está a impulsionar os índices bolsistas.

Tensões no Médio Oriente impulsionam subida de 1,23% do Brent

A cotação do Brent subiu devido às crescentes tensões com o Irão, que levam os investidores a recear interrupções nos canais de abastecimento de gás e petróleo a partir do Médio Oriente.

Com ou sem acordo, pouco importa. Brexit vai mesmo empurrar o Reino Unido para uma recessão, estima ‘think tank’

O Instituto Nacional de Investigação Económica e Social britânico revelou que o Brexit terá consequências nocivas para a economia britânica, independentemente de ser um Brexit duro ou um Brexit suave. Mas, o PIB britânico será 5% mais baixo no caso de um Brexit duro.
Comentários