PremiumFuturo da formação vai passar mais pelas empresas

Oradores da conferência promovida pelo JE e pela Multipessoal dizem que a pandemia acelerou tendências. A formação contínua é obrigatória e as empresas vão ter de oferecer mais para cativarem talento da nova geração.

O futuro da formação e do trabalho será diferente do que tivemos até agora, porque as necessidades mudaram e as tendências aceleraram com a crise pandémica. Para os oradores da conferência sobre “a adaptação das competências assente na educação”, promovida pelo Jornal Económico (JE) e pela Multipessoal, podemos esperar maior digitalização, relações mais dinâmicas e um peso maior de fatores que ultrapassam a remuneração. Nesta nova realidade, as empresas passarão, também, a ter um papel mais importante na formação dos seus trabalhadores e todos têm de ter consciência que se trata de um processo para a vida.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Devolução dos manuais escolares para reutilizar arranca “já”, diz Ministério da Educação

A DGEE definiu que o processo deverá estar concluído até ao final de julho, altura em que se prevê o arranque da emissão dos primeiros vouchers para que as famílias possam ter acesso aos manuais para o próximo ano letivo.

Candidaturas ao sistema de incentivos fiscais I&D alargadas até julho

Entre 2006 e 2019, foram recebidas 16.251 candidaturas ao SIFIDE, apresentadas por 4.430 empresas, com um investimento declarado de 9.458,5 milhões de euros. Por sua vez, 3.951 empresas já recuperaram 2.754 milhões de euros do investimento feito nestes projetos.

Universidade de Lisboa lidera produção científica na Península Ibérica

O ‘ranking’ da Leiden avaliou, de 2016 a 2019, a produção científica de 1.225 universidades de 69 países. No que diz respeito à Europa, a Universidade de Lisboa ocupa a 30ª posição sendo, inclusive, líder na Península Ibérica. No espetro internacional, ocupa a 131ª posição.
Comentários