Futuro da mobilidade vai muito para além dos carros, sustenta CEO Siemens Mobility

“Os transportes públicos são a espinha dorsal da mobilidade, e têm um potencial enorme”, garante a CEO da Siemens Mobility no seu discurso.

Stephen McCarthy/Web Summit

Carros, comboios, aviões. Todos estes meios de transporte fazem parte da missão da Siemens Mobility para melhorar a mobilidade, não só em Portugal mas no mundo.

Na plataforma da ‘Auto/Tech’, a partilhar o palco com o Porsche Taycan S, estava Sabrina Soussan, CEO Siemens Mobility. Por a Siemens se intitular como “líder global de soluções de mobilidade”, aposta em diversas frentes, mas atualmente gosta da aposta nos transportes públicos sustentáveis.

A questão que a CEO lançou no início da conversa com o público, focou-se no que “se trata a mobilidade?”. “A mobilidade é um requisito para o movimento”, sustentou Sabrina Soussan, mas adiantou que entre 2015 e 2050, o número de passageiros deve triplicar.

“A mobilidade é um sonho, mas pode ser um momento horrível durante o dia a dia”, garantiu a CEO responsável pela área em questão. Com a transformação dos carros a gasolina e gasóleo para elétricos, ou a passagem pelo hidrogénio fuel cell, qual o futuro da mobilidade?

Sabrina Soussan garante que o automóvel de amanhã “não será o mesmo de hoje”. “Autónomos, conectados, elétricos e partilhados” deverá ser o futuro que se encontra em cima da mesa. Ainda assim, “os veículos autónomos vão gerar ainda mais congestionamento, aumentando o trânsito em 5,5% dos níveis atuais”.

Para o futuro da mobilidade, a CEO da Siemens Mobility, vê sete hipóteses. “Este setor vai continuar altamente disruptivo” mas o futuro vai continuar a depender do automóvel. “A infraestrutura inteligente vai permitir a existência dos autónomos, uma vez que consegue ver objetos que o olho humano não consegue”, sublinha Soussan, mostrando numa imagem que um carro autónomo vai conseguir ‘pressentir’ uma criança atrás de um carro e agir em função dessa informação, sendo que o humano iria demorar muito tempo a reagir e nunca veria a criança escondida.

“Os transportes públicos são a espinha dorsal da mobilidade, e têm um potencial enorme”, garante a CEO no seu discurso. Enquanto um automóvel apenas transporta até sete pessoas, os transportes públicos conseguem transportar um número sem fim de cidadãos.

A digitalização é a quarta razão enumerada pela responsável, uma vez que permite a previsão de chegada dos veículos, mantendo tudo a tempo e confiável perante o público. A experiência dos passageiros é um dos pontos mais importantes para Sabrina Soussan, não só enquanto indivíduos mas também enquanto conjunto, uma vez que as queixas mais frequentes dos transportes públicos é a sobrelotação.

Outro dos pontos referidos pela CEO foi a existência de “transportes ‘sem costuras’ e intermodal”, ou seja, Sabrina Soussan explica que os transportes públicos, como metro, comboios e autocarros, devem estar unidos numa única aplicação, dando o exemplo da Dinamarca, onde o sistema de transportes públicos funciona desta maneira, e onde dá para carregar os bilhetes mensais e ver todo o tipo de informação.

Uma visão e abordagem holística da mobilidade é um dos pontos mais sublinhados por Sabrina. O objetivo deste último ponto é uma maior eficiência para todos os integrantes no sistema. Ainda assim, a responsável sublinha que este deve ser da responsabilidade das autarquias.

Ler mais

Recomendadas

Portugueses recorrem cada vez mais ao crédito. 635 milhões em setembro

Os portugueses recorreram mais ao crédito no mês de setembro num total de 635 milhões de créditos contraídos. De acordo com uma nota publicada pelo Banco de Portugal esta sexta-feira, 15 de novembro, relativa à evolução dos novos créditos aos consumidores, os portugueses pediram um total de 295 milhões de euros em crédito pessoal, num […]
marcelo_rebelo_sousa_legislativas

Marcelo considera aumento do salário mínimo “razoável” e promulga hoje o diploma

O Presidente da República vai promulgar hoje o diploma que estabelece um aumento do salário mínimo nacional para 635 euros em 2020, que considera “uma solução razoável, a pensar na economia e na sociedade portuguesa”.

Exclusivo: Farfetch com ‘breakeven’ em 2021 é “cenário perfeitamente realista”, diz José Neves

Em entrevista ao JE, o CEO diz que a empresa ainda não tem ‘guidance’ oficial, mas vê como correta a estimativa dos analistas sobre o ‘breakeven’ ao nível do EBITDA daqui a dois anos. A melhoria da margem no terceiro trimestre mostra o caminho a seguir, diz, mostrando confiança numa subida das ações. Cotação do título dispara 33% na abertura em Wall Street.
Comentários