G20 cria estrutura para sensibilizar sobre plástico nos oceanos

Ministros da Energia e do Meio Ambiente acordaram em criar uma estrutura internacional que sensibilize os países membros para a necessidade de reduzir o plástico nos oceanos.

Os ministros da Energia e do Meio Ambiente do G20 acordaram este domingo criar uma estrutura internacional que sensibilize os países membros para a necessidade de reduzir o plástico nos oceanos.

A contaminação marinha “é um assunto que requer uma ação urgente tendo em conta o seu impacto negativo nos ecossistemas marinhos […] e, potencialmente, na saúde humana”, notaram os ministros, numa declaração conjunta, no final da sua reunião de dois dias, que teve lugar em Karuizawa, no Japão.

Segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU), todos os anos, são produzidas cerca de 300 milhões de toneladas de resíduos plásticos, sendo que destas, oito milhões acabam nos oceanos.

No entanto, a adoção de medidas para combater este problema continua a ser de caráter voluntário.

Os ministros do G20 não estão de acordo em todas as questões relacionadas com a poluição, nomeadamente no que se refere ao combate às alterações climáticas.

Os EUA, que saíram do acordo de Paris, já se negaram a assumir o compromisso de reduzir as emissões de gases com efeito de estufa.

Por sua vez, através do documento hoje adotado pelo G20, os países, excluindo os EUA, comprometem-se ainda a implementar o acordo, tendo por objetivo garantir que o aumento global das temperaturas, até ao final do século, é inferior a dois graus centígrados.

Ler mais
Recomendadas

Como manter a casa fresca com este calor abrasador?

Na rua, opte por vestir roupas leves e frescas, evite esforço físico e hidrate-se bem. Em casa, feche portas e janelas, corra os estores, persianas ou use toldos durante os períodos de maior calor.

Madrid vai parecer Marraquexe e Londres vai ter o clima de Barcelona. Como vamos viver em 2050?

As zonas temperadas ou frias do hemisfério norte vão ter temperaturas de cidades mais próximas do equador, sendo que estas mudanças climáticas vão apresentar efeitos prejudiciais à saúde e às infraestruturas.

Sede da UNESCO vai ter uma horta portuguesa

Ainda não há uma data definida para a implantação do projeto, mas estima-se que até ao final de 2019 a grande horta urbana, com assinatura portuguesa, da sede da UNESCO esteja já em fase de cultura.
Comentários