G20 reconhece peso das tensões comerciais na volatilidade dos mercados

“O comércio internacional é um importante motor do crescimento e precisamos de resolver as tensões que estão a afetar negativamente a confiança dos mercados e a aumentar a volatilidade financeira”, disse o ministro das Finanças argentino, Nicolás Dujovne.

Os países do G20 reconheceram esta sexta-feira que as tensões comerciais dentro do grupo estão a afetar a “confiança nos mercados” e a aumentar a “volatilidade financeira”, numa alusão à guerra comercial entre os Estados Unidos e a China.

“O comércio internacional é um importante motor do crescimento e precisamos de resolver as tensões que estão a afetar negativamente a confiança dos mercados e a aumentar a volatilidade financeira”, disse o ministro das Finanças argentino, Nicolás Dujovne.

O responsável argentino falava numa conferência de imprensa em Bali, onde decorre até domingo a assembleia anual do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial.

Dujovne sublinhou que o G20, grupo de países em desenvolvimento, “pode ter um papel de fórum na discussão, mas as diferenças persistentes devem ser resolvidas pelos países diretamente envolvidos”.

Embora o ministro argentino tenha evitado mencionar diretamente Pequim e Washington, o choque comercial entre as duas potências concentrou as conversas do fórum, que junta algumas das principais economias avançadas e em desenvolvimento.

Dujovne também advertiu que o crescimento económico se tornou “mais desequilibrado” e que “alguns dos riscos discutidos no início do ano estão a começar a materializar-se”.

O político citou, em particular, “a normalização da política monetária nos [países] avançados”, que fez com que “as condições financeiras se ajustassem nos países emergentes, que sofreram volatilidade”.

A Argentina é um exemplo claro dessas pressões financeiras. Buenos Aires teve de recorrer a um pacote de assistência de três anos do FMI, no valor de 57,1 mil milhões de dólares (49 mil milhões de euros), após a queda acentuada do peso argentino.

Da mesma forma, outras economias emergentes, como Turquia, África do Sul ou Indonésia, sofreram também a desvalorização das suas moedas perante o fortalecimento progressivo do dólar.

Ler mais
Recomendadas

Visitas ao site do JE disparam em novembro, com subida de 33% para 5,8 milhões

O número de utilizadores do site do Jornal Económico aumentou 30% em novembro, face a outubro, para um total de 2,7 milhões. Acessos móveis representaram 79% do total. Plataforma multimédia JE TV tem cada vez mais telespectadores. Obrigado pela sua preferência!

OCDE diz que economia mundial vai contrair 4,2% em 2020, recuperando 4,2% e 3,7% nos anos seguintes

China vai concentrar um terço do crescimento mundial em 2021 e é a única das principais economias a terminar 2020 com nota positiva. Zona euro sofre uma quebra de 7,5% este ano, e nos seguintes terá, tal como os Estados Unidos, “um contributo menor do que o seu peso na economia mundial” no que toca à recuperação.

OCDE prevê que economia portuguesa cresça apenas 1,7% em 2021 e 1,9% em 2022

“Economic Outlook” prevê recuperação mais lenta da economia nacional do que a prevista pelo Governo e um pico do desemprego no próximo ano. Mas revê em baixa a quebra do PIB em 2020, apontando para 8,4%.
Comentários