Gabriel Couto na reabilitação do Teatro Variedades no Parque Mayer

A construtora assinou com a Lisboa Ocidental um contrato de empreitada da ordem dos cinco milhões de euros. Originalmente, o teatro foi inaugurado em 1926.

A construtora Gabriel Couto está responsável pela reabilitação e reconstrução do emblemático Teatro Variedades, no Parque Mayer, em Lisboa, tendo esta empreitada sido adjudicada pela entidade Lisboa Ocidental, SRU – Sociedade de Reabilitação Urbana. O contrato da empreitada já foi assinado entre as partes e prevê um investimento na ordem dos cinco milhões de euros, e com um prazo global contratado de 540 dias.

A construtora será assim responsável por mais um projeto de requalificação e reabilitação urbanas, que irá dar uma nova vida ao mítico Teatro Variedades e tem a assinatura do arquiteto Manuel Aires Mateus.

Este projeto integra-se na intervenção no recinto do Parque Mayer, estando o edifício incluído na área do Plano de Pormenor do Parque Mayer. “A requalificação do Teatro Variedades está assente num conceito de intervenção global de forma a reabilitar os espaços principais e completá-los com uma nova envolvente funcional, compreendendo o exterior, acessos e áreas técnicas de apoio”, refere a construtora.

O Teatro Variedades começou a ser construído em 1924 com projeto da autoria de Urbano de Castro, no local onde outrora se situavam os jardins do Palacete Mayer, em Lisboa. Concluído e inaugurado em 1926, tornava-se a segunda casa de espetáculos, a seguir ao Teatro Maria Vitória, do recinto que viria a ser conhecido como Parque Mayer.

Em 1966 sofreu um incêndio, foi recuperado e, já na década de noventa, após ter sido alvo de uma renovação do seu interior, serviu de palco a programa televisivos, mas poucos anos depois, ainda antes do final do século, viria a encerrar portas para não mais reabrir.

“Todo o conjunto edificado apresenta algumas fragilidades construtivas, derivada em parte pela aleatoriedade das técnicas empregues e, em especial, da forma desregrada das próprias construções. O passar dos anos e a falta de manutenção vieram a agudizar estas fragilidades, tendo mesmo levado à ruína e colapso de parte da construção, como é o caso do corpo dos camarins, em que a infiltração de água pela cobertura levou ao colapso da mesma e, por consequência, facilitou a entrada de água nas paredes e pavimentos, levando à total destruição de algumas divisões”.

O projeto geral da obra engloba a ampliação e remodelação das instalações existentes, através da recuperação e reabilitação da sua sala principal e do palco, da construção de uma nova envolvente às mesmas, e uma intervenção total na cobertura.

A intervenção visa a revitalização do edifício enquanto espaço de espetáculos, em continuidade com a sua atividade anterior, adaptando-o às exigências legais e técnicas contemporâneas. Nos elementos existentes (paredes, pavimentos e tetos), a recuperação ou substituição dos acabamentos será realizada com materiais compatíveis de forma a preservar a sua essência. De registar que, o Teatro Variedades está classificado no Conjunto de Interesse Público municipal da Avenida da Liberdade.

Ler mais

Recomendadas

Governo decide hoje encerrar todas as escolas a partir de sexta-feira

O Governo vai decidir hoje, em Conselho de Ministros, o encerramento de todos os estabelecimentos de ensino, do Básico ao Superior, com efeitos a partir de sexta-feira, disse à agência fonte do executivo.

Topo da agenda: o que vai marcar a atualidade esta quinta-feira

Esta quinta-feira realiza-se a primeira reunião do ano do Banco Central Europeu, onde se espera que seja discutido o processo de recalibragem dos instrumentos de política monetária do banco central para atacar a crise provocada pela pandemia de Covid-19.

Académicos minimizam papel da economia na decisão sobre fecho das escolas

“Eu preferia não dar ‘munições’ económicas para esse debate”, disse o professor da Universidade Católica de Lisboa João Borges de Assunção à Lusa, considerando que “o problema do encerramento das escolas é o problema na consequência da educação das crianças e dos jovens”.
Comentários