PremiumGalp não pagou mais de 270 milhões de contribuição extraordinária

Em 2018, apenas a REN e Endesa continuaram a pagar a CESE, depois de a EDP ter informado que não iria pagar o valor relativo a 2017 desta contribuição.

A Galp nunca pagou a CESE e acumula já contestações de liquidações da contribuição sobre contratos de gás e ativos de gás natural e petróleo na ordem dos 270 milhões de euros. A petrolífera tem vindo a contestar as liquidações da CESE, nomeadamente junto do fisco e do Tribunal Administrativo, não tendo pago os montantes entre 2015 e 2017, que representam provisões de 272 milhões de euros. Mas não se conhece ainda qualquer decisão sobre estas contestações.

Por sua vez, a REN – Redes Energéticas Nacionais, desde 2014, já pagou 25 milhões de euros por ano, num total de 125 milhões de euros, informou a empresa no início deste ano, após a divulgação do mais recente acórdão do Tribunal Constitucional (TC) que no início de janeiro decidiu que a CESE, que recai desde 2014 sobre as empresas do setor da energia, não é inconstitucional. Uma decisão que deita por terra as queixas apresentadas na justiça há três anos (em 2015) pela REN e que pode atingir a Galp, que contesta também a CESE, sendo a empresa que contesta o valor mais elevado porque nunca pagou esta contribuição.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

“Já se demitiram?”. Ana Gomes reage aos ‘Luanda Leaks’ e pede afastamento de Carlos Costa

Ex-eurodeputada já reagiu à revelação dos ‘Luanda Leaks’ e pergunta se Carlos Costa e Fernando Teixeira dos Santos já se demitiram.

Site da APAF pirateado numa manifestação de apoio a Rui Pinto

O site da APAF, que entretanto já voltou à normalidade, surgia com uma configuração completamente diferente da habitual, já que era apresentada com uma foto de destaque de Rui Pinto.

PremiumPSD remete alterações ao OE para depois de eleições internas

Propostas dos sociais-democratas só dão entrada no Parlamento a partir da próxima semana. Direção de Rui Rio chama a si proposta de redução do IVA da eletricidade por ter “relevo político nacional”.
Comentários