Galp produz mais 21% de petróleo no terceiro trimestre

Angola registou um aumento da produção de 72%. A venda de produtos refinados caiu 13%, impactada com a paragem para manutenção da refinaria de Sines.

A Galp fechou o terceiro trimestre com um crescimento de 21% na produção de petróleo para um total de 125 mil barris diários. A maioria desta produção (87%) corresponde a petróleo com o restante a corresponder a gás natural.

O Brasil foi o responsável pela maioria da produção da Galp (88%) com 111 mil barris produzidos, mais 17% face a período homólogo.

Já Angola é responsável pela restante produção (12%), registando um aumento de 72% face a período homólogo para 12,7 mil barris diários.

Em termos de matérias primas processadas, a Galp processou menos 26% de matérias no terceiro trimestre, devido a “operações de manutenção planeadas na refinaria de Sines, sobretudo focadas na unidade de destilação atmosférica, tendo sido também implementados projetos de eficiência energética em unidades chave desta refinaria no âmbito das iniciativas “+$1/boe”.

A empresa também destaca que em setembro “verificaram-se restrições operacionais que resultaram na menor utilização das unidades de conversão da refinaria de Sines”.

Como consequência, a venda de produtos refinados caiu 13%, com a venda a clientes diretos a descer 2%.

Já as vendas de gás natural/gás natural liquefeito recuaram 11%, enquanto as vendas a clientes diretos desceram 6%.

A divulgação de resultados do terceiro trimestre vai ter lugar no dia 22 de outubro antes da abertura da bolas de Lisboa.

Ler mais
Recomendadas

“Conversas com Norte”. Ricardo Costa: “Dinâmica que queremos imprimir foi bem aceite pela CIP”, revela presidente da AEMinho (com áudio)

Ricardo Costa, presidente da Associação Empresarial do Minho e CEO do Grupo Bernardo da Costa, é o convidado do podcast “Conversas com Norte”, que poderá ouvir em jornaleconomico.pt e na ‘playlist’ do JE no Spotify.

PremiumMão de obra migrante é chave no agroalimentar

Trabalhadores estrangeiros são cruciais para o sector e são necessárias políticas de integração mais eficazes, defendem especialistas.

Portuguesa PHC já tem nova sede. Custou 12 milhões e pretende “revolucionar” o mundo do trabalho

O projeto da nova sede da PHC foi da DST, a linha arquitetónica foi definida pela Openbook, sendo que o financiamento ficou a cargo do BPI. A PHC Software é uma multinacional portuguesa com escritórios em Oeiras, Porto, além de estar em Espanha, Angola, Moçambique e Peru.
Comentários