Gasolina a caminho da maior subida dos últimos 16 meses

Combustíveis disparam na próxima semana. Se quer poupar uns euros, o melhor é atestar antes de segunda-feira.

O cenário é de subida generalizada no preço dos combustíveis em Portugal. As fontes do setor contactadas pelo Jornal Económico revelam que tanto o gasóleo como a gasolina vão subir na próxima semana, e de forma significativa.

A subida da gasolina pode chegar aos quatro cêntimos, levando este combustível para valores de 5 de Fevereiro. Desde Novembro de 2016 que este combustível não registava um aumento tão expressivo nas bombas de marcas brancas. Já nas principais petrolíferas a operar no mercado português, é a maior subida desde Maio de 2016.

O gasóleo pode ficar até 2,5 cêntimos mais caro – a maior subida desde janeiro de 2018 – e atingir valores que não se viam desde meados do mês passado. Os aumentos vão sentir-se tanto nas bombas das principais gasolineiras como nos postos dos hipermercados.

De acordo com dados da Direcção Geral de Energia e Geologia (DGEG), o preço médio do litro de gasolina 95 em Portugal custa actualmente 1,507 euros enquanto o do gasóleo vale 1,309 euros. As cotações podem no entanto variar nos postos de abastecimento, já que o preço fixado na rede tem ainda em conta o nível de concorrência, da oferta e da procura em cada mercado e o nível de custos fixos de cada posto.

Abastecer em Espanha permite poupança até 29 cêntimos por litro

Um litro de gasolina 95 em Espanha custa, em média, 1,220 euros, menos 29 cêntimos do que em Portugal. Já o litro do gasóleo pode ser comprado por 1,129 euros, 18 cêntimos abaixo do preço médio fixado em Portugal, indicam os dados mais recentes da Comissão Europeia.

Fazendo as contas de outra forma, um condutor que ponha 50 euros de gasolina em Portugal mete no depósito 33 litros, enquanto os mesmos 50 euros em Espanha compram 41 litros (mais oito litros de diferença). Já no gasóleo, um condutor que ateste o carro com 60 litros de diesel poupa mais de dez euros em Espanha.

O último relatório de Bruxelas mostra que, depois de impostos, o preço médio da gasolina 95 octanas praticado em Portugal é o quinto mais caro em toda a UE. Já o gasóleo ocupa a 11ª posição entre os países do espaço comunitário. Os mesmos dados mostram que a fiscalidade é o factor que mais pesa nos preços dos combustíveis em Portugal.

Entre os 28 Estados-Membros, o preço médio de referência da gasolina ronda os 1,352 euros por litro, enquanto o ‘diesel’ vale 1,254 euros por litro. Já na zona euro, um litro de gasolina custa 1,385 euros e um litro de gasóleo vale 1,253 euros.

Os mais Económicos

Gasolina(s):
– Intermarché de Vila Real de Santo António – 1.349€

– Rede Energia de Monte Gordo – 1.349€

– Pingo Doce de Abrantes – 1.357€

– intermarché de Maceira – 1.365€

– Intermarché de Mira – 1.368€

Gasóleo(s):
– Intermarche de Vila Real de Santo António – 1.149€

– Rede Energia de Monte Gordo- 1.149€

– Pingo Doce de Abrantes – 1.151€

– Intermarché de Aveiras de Cima – 1.159€

– E. Leclerc de Chaves – 1.159€

Fonte: DGEG

Ler mais
Recomendadas

Orçamento de Natal: Não perca as contas às compras

São muitos os consumidores que na azáfama das compras acabam por perder a perceção ao que efetivamente podem gastar, só percebendo mais tarde, do verdadeiro impacto destes gastos no orçamento familiar.

Devo utilizar crédito para fazer compras de natal?

É fácil comprar usando o cartão de crédito ou contratando um crédito. No caso do empréstimo pessoal, este crédito é chamado de fácil aprovação, mas não é barato. As letras miudinhas, pouco claras, desincentivam a leitura dos contratos e dificultam (muito!) a explicação dos encargos elevados que terá de pagar. As palavras “custos” e “juros” estão sempre presentes, pelo que o consumidor deve pensar duas vezes antes de usar o cartão ou o crédito pessoal para fazer as compras de Natal.

Salários até aos 686 euros ficam isentos de IRS em 2021

Retenção de IRS começa para quem ganha mais de 686 euros. Alívio no imposto do próximo ano que reflete a redução as taxas de retenção na fonte do IRS no início de 2021. Medida abrange dois milhões de contribuintes e contempla uma redução média (e progressiva) de 2% nas retenções. Trabalhadores dependentes já podem calcular quanto irão descontar todos os meses.
Comentários