Gaudêncio demite-se da liderança do PSD nos Açores e pede eleições internas antecipadas

Alexandre Gaudêncio demitiu-se do cargo de líder do PSD/Açores e vai pedir eleições internas diretas. Alvo de uma investigação da Judiciária, não diz se avança com uma recandidatura.

Crédito: Acácio Amaral
Alexandre Gaudêncio (ao centro)

O líder do PSD/Açores, Alexandre Gaudêncio, demitiu-se esta terça-feira do cargo e vai pedir eleições internas diretas, não adiantando se se irá recandidatar ao cargo que assumiu há um ano.

Alexandre Gaudêncio anunciou esta terça-feira, em conferência de imprensa na sede do PSD/Açores, em Ponta Delgada, que se demite do cargo e que vai levar a Conselho Regional o pedido de antecipação de eleições internas da estrutura regional do partido.

O líder dos sociais-democratas açorianos adiantou ainda que “este não é o momento” para avançar se se recandidatará ao cargo.

Gaudêncio foi alvo de uma investigação da Polícia Judiciária por suspeita de violação de regras de contratação pública, de urbanismo e ordenamento do território na autarquia que dirige (Ribeira Grande).

O Conselho Regional, marcado para dia 26 de outubro, na ilha Terceira, será decisivo para perceber quem serão os possíveis candidatos ao cargo.

Recomendadas

“Não garanto que vá haver aumento de 1% em 2021”, diz ministra da Administração Pública

Porém, Alexandra Leitão garante que o congelamento de progressões da função pública “não está em cima da mesa”.

CDS-PP conta debater plano de recuperação com “Costa e Siza” e “não com Costa Silva”

Os democratas-cristãos salientam que, há três meses, “o CDS sugeriu ao Governo a criação de um gabinete de crise para relançar social e economicamente o país, que integrasse representantes de vários setores fundamentais e todos os partidos com assento parlamentar”.

Jerónimo de Sousa: “Caiu por terra a teoria de que estamos todos no mesmo barco”

O secretário-geral do PCP diz que “a ilusão de que vai tudo ficar bem” “caiu por terra” com a pandemia e o encerramento de unidades educativas e critica “a medida do Governo de levar os estudantes do ensino profissional a terem de realizar uma autêntica volta pelo país para fazerem exames para os quais não foram preparados, para concorrer a meia dúzia de vagas”.
Comentários