PremiumGergely Karacsony. Afinal, Viktor Orbán não é invencível

Novo presidente da câmara de Budapeste venceu o candidato do partido do primeiro-ministro húngaro, fazendo renascer a esperança de que Orbán possa perder em 2022. Mas as motivações das inúmeras coligações que a política interna húngara vai gerando não são um bom indicador para o futuro. Karacsony foi eleito por uma surpreendente e muito colorida coligação de seis partidos em nada iguais.

A primeira fissura no extravagante e muito contestado edifício político de Viktor Orbán – primeiro-ministro húngaro há quase uma década e um dos expoentes da extrema-direita europeia – dá pelo nome de Gergely Karacsony e acaba, contra todas as expectativa de ser eleito presidente da câmara da capital. É a partir daí, de Budapeste – que a campanha de Karacsony transformou na Istambul da Hungria para revelar a recusa da cidade em manter-se debaixo do ‘jugo’ do partido que lidera o governo nacional – que os analistas consideram que o presidente do partido Diálogo para a Hungria pode iniciar uma espécie de conquista que culmine na assunção do cargo de primeiro-ministro.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumPrograma de Governo prevê primeiros passos para desenvolver sistema fiscal próprio

O programa de Governo prevê redução gradual do IRC e IRS, desde que não comprometa consolidação orçamental, e o estudo da baixa do IVA.

PremiumPortugal em contraciclo numa economia “à beira da recessão”

Bruxelas ficou surpreendida com o desempenho português no primeiro semestre de 2019. No entanto, o abrandamento na Europa leva Pierre Moscovici a pedir mais investimento público à Alemanha.

PremiumEspanhóis vão a votos de calculadora na mão

A única certeza do ato eleitoral de domingo é que o PSOE o ganhará. Daí a que os socialistas venham a formar governo vai um longo caminho, recheado de incertezas. O Vox pode fazer a diferença.
Comentários