Gestores lesaram o Estado angolano em cerca de 800 mil milhões de kwanzas

O Estado angolano sofreu prejuízos de quase oitocentos mil milhões de kwanzas, 60 milhões de dólares e mais de 15 milhões de euros resultantes de despesas injustificadas, pagamentos de obras públicas não realizadas e desvios de fundos públicos no período de 2016 a 2017, revelou na quinta-feira o inspector-geral da Administração do Estado.

Durante a cerimónia de cumprimentos de fim de ano, Domingos Ngunza referiu que os prejuízos em kwanzas na sequência dos actos de improbidade praticados pelos gestores públicos no período em referência foram de 787.997.461.159,41 kwanzas.

O inspetor-geral da Administração do Estado sublinhou que o volume de ações inspetivas, tratamento de denúncias, queixas e reclamações verificado ao longo deste ano representa um marco sem igual na história da Inspecção Geral da Administração do Estado.angola

Na mensagem de fim de ano, dirigida aos funcionários da instituição, o responsável indicou que no decurso deste ano foram realizadas 65 acções inspectivas a ministérios, governos provinciais, missões diplomáticas e consulares e a institutos e empresas públicas.

“A Inspecção Geral da Administração do Estado, já deu tratamento adequado e atempado às denúncias, queixas e reclamações apresentadas por cidadãos e empresas privadas que se sentiram lesados por actos e omissões dos gestores e agentes públicos”, informou o responsável.

Recomendadas

Quem mais valorizou desde o início da época? Há dois portugueses na lista

Entre os campeonatos inglês, alemão, espanhol, francês, italiano e espanhol, dois portugueses destacaram-se por ter valorizado, em conjunto, 76,2 milhões de euros.

Centeno: “Portugal tem almofada financeira que cobre 44% das necessidades para os próximos 12 meses”

Em conferência de imprensa, após anunciar que Portugal já pagou a totalidade do empréstimo concedido pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) no resgate, Centeno confirmou que o rácio da dívida pública face ao PIB deverá ser de 121,2% no final do mês, ou seja, 3,5 pontos percentuais abaixo do valor registado no final do ano passado.

Incompatibilidades: Siza Vieira pediu ao MP arquivamento de processo após remodelação

Após ter sido notificado do parecer do Ministério Público que concluiu que Siza Vieira agiu de “boa fé” na apresentação da sua declaração de incompatibilidades, governante requereu o arquivamento do processo. Pedido é justificado com o faco de ter sido exonerado do cargo de ministro adjunto na remodelação governamental de 15 de Outubro.
Comentários