Gestores lesaram o Estado angolano em cerca de 800 mil milhões de kwanzas

O Estado angolano sofreu prejuízos de quase oitocentos mil milhões de kwanzas, 60 milhões de dólares e mais de 15 milhões de euros resultantes de despesas injustificadas, pagamentos de obras públicas não realizadas e desvios de fundos públicos no período de 2016 a 2017, revelou na quinta-feira o inspector-geral da Administração do Estado.

Durante a cerimónia de cumprimentos de fim de ano, Domingos Ngunza referiu que os prejuízos em kwanzas na sequência dos actos de improbidade praticados pelos gestores públicos no período em referência foram de 787.997.461.159,41 kwanzas.

O inspetor-geral da Administração do Estado sublinhou que o volume de ações inspetivas, tratamento de denúncias, queixas e reclamações verificado ao longo deste ano representa um marco sem igual na história da Inspecção Geral da Administração do Estado.angola

Na mensagem de fim de ano, dirigida aos funcionários da instituição, o responsável indicou que no decurso deste ano foram realizadas 65 acções inspectivas a ministérios, governos provinciais, missões diplomáticas e consulares e a institutos e empresas públicas.

“A Inspecção Geral da Administração do Estado, já deu tratamento adequado e atempado às denúncias, queixas e reclamações apresentadas por cidadãos e empresas privadas que se sentiram lesados por actos e omissões dos gestores e agentes públicos”, informou o responsável.

Recomendadas

Arábia Saudita e Emirados “preocupados” com eventual subida dos ‘stocks’ de petróleo

“Nenhum de nós quer ver os stocks novamente a aumentar, temos de ser cautelosos”, disse o ministro da Economia da Arábia Saudita, referindo-se à situação no final de 2018 que levou a uma quebra acentuada do preço do “ouro negro” no mercado internacional.

Marisa Matias diz que Bruxelas “está a preparar um assalto às pensões”

A eurodeputada acusa Bruxelas qde querer reduzir a Segurança Social “a um sistema de esmolas para pobres, empurrando quem pode para produtos privados e quem não pode para a miséria”.

ONU diz ao governo italiano que decreto viola direitos dos migrantes

Os investigadores afirmam que o decreto parece ser mais uma tentativa política para criminalizar as operações de busca e salvamento” que “intensifica ainda mais o clima de hostilidade e xenofobia contra os migrantes”.
Comentários