GNR identifica dono de restaurante onde foi realizado jantar-comício do Chega em Braga

O dono do restaurante onde foi realizado o jantar-comício com mais de 170 pessoas, este domingo, em Braga, foi identificado pela GNR ao Tribunal de Braga.

A Guarda Nacional Republicana (GNR) anunciou que identificou ao à justiça da comarca de Braga o dono do restaurante onde foi organizado, este domingo, 17 de janeiro, o jantar-comício do candidato do Chega às presidenciais.

De acordo com o comunicado divulgado, esta segunda-feira, a GNR garante que “acompanhou a realização do evento procurando, nomeadamente, acautelar a manutenção da ordem pública, o que veio a ocorrer”.

No final do evento, as autoridades informam que apuraram a participação de cerca de 170 pessoas, “onde foram servidas refeições, tendo como tal o proprietário do estabelecimento sido identificado por forma a ser elaborado o respetivo expediente e envio para Ministério Público do Tribunal Judicial de Braga, para apuramento de eventuais ilícitos que se possam ter verificado”.

Embora tenha recebido o parecer negativo da Administração Regional de Saúde do Norte (ARS Norte), André Ventura reuniu 170 pessoas sem distanciamento numa sala com cerca de 450 metros quadrados e sem ventilação, num estabelecimento, em Braga, este domingo.

A organização do jantar-comício do candidato presidencial e líder do Chega, realizado no restaurante “Solar do Paço”, em Tebosa, no concelho de Braga, garantiu aos jornalistas presentes que o evento recebera a autorização da Direção-Geral da Saúde (DGS). No entanto, fonte oficial da ARS-Norte garantiu ao jornal online “Observador” que tinha dado um “parecer desfavorável” à realização do evento.

Esta segunda-feira, o candidato não compareceu ao ultimo debate presidencial, justificando que se encontra em campanha no Norte do país. A candidata do Bloco de Esquerda, Marisa Matias apontou que André Ventura não marcou presença no debate nas rádios, para não ter de “justificar o incumprimento das regras da DGS durante a campanha”.

Recomendadas

Catarina Martins sinaliza que “só não há um OE se o Governo não quiser”

A líder bloquista exemplificou algumas das áreas nas quais quer ver avanços no documento de OE, como o SNS ou as “longas carreiras contributivas”, esclarecendo ainda que “não se prende por questões formais”, pretendendo apenas “redações exatas das leis”.
Nuno Melo e Francisco

Nuno Melo abre e Rodrigues dos Santos encerra escola de quadros da Juventude Popular

Atual líder centrista e o eurodeputado que pretende ser o próximo presidente do partido não se irão cruzar no hotel de Portimão onde decorre uma ação de formação que conta com convidados como o social-democrata Miguel Pinto Luz e o socialista Álvaro Beleza, presidente da SEDES.

PCP: “Não tem havido grande evolução” nas negociações com o Governo sobre o OE2022

Segundo Jerónimo de Sousa, o partido transmitiu a Marcelo Rebelo de Sousa a importância de o orçamento do próximo ano ter incluídas medidas essenciais, nomeadamente de valorização dos salários, das reformas e das pensões, reforço da rede de creches e dos serviços públicos.
Comentários