Goldman Sachs deve cortar 1% dos postos de trabalho

Com a crise pandémica, a situação dos bancos deteriorou-se e a necessidade de revitalizar ou assegurar equilíbrio tem levado, muitas vezes, a despedimentos nestas instituições.

A Goldman Sachs irá cortar 1% da sua força laboral, avança a Bloomberg, elevando o número de posições cortada em instituições financeiras este ano para perto dos 70 mil.

Citando fontes anónimas ligadas ao processo, a Bloomberg aponta para 400 postos eliminados, o que resulta em 67.844 despedimentos contabilizados pelo órgão no setor da banca internacional desde o início do ano. Este número poderá ser ainda maior dados os despedimentos não comunicados por vários bancos.

A situação das instituições financeiras tem-se deteriorado face à crise económica mundial que o novo coronavírus trouxe, atirando para o desemprego muitos indivíduos que, assim, deixam de ser capazes de fazer face aos compromissos estabelecidos com estas entidades. Além disso, os bancos falam de despesas acrescidas com a necessidade de obedecer a novas regulações e de executar uma transição digital efetiva.

Só esta semana, também em Itália e Espanha dois dos principais bancos haviam já anunciado cortes de 5 mil e 900 postos de trabalho, respetivamente.

Recomendadas

BCP quer preservar capital e crescer organicamente mas estudará aquisições

“O que me preocupa é a rentabilidade do sistema financeiro português e os custos de contexto, porque numa eventualidade de a banca precisar de capital, com rentabilidades muito baixas é muito mais difícil obter capital no mercado”, referiu o presidente do BCP.

BCP deu 125 mil moratórias num montante total de 8,9 mil milhões

Pelo banco foram concedidas 101.114 mil operações a particulares no valor de 4,2 mil milhões de euros. Deste montante, 91% diz respeito a crédito à habitação. Em relação às empresas, o banco deu 23.909 mil moratórias no valor de 4,7 mil milhões de euros, do qual 88% corresponde a crédito performing.
Miguel Maya

BCP regista menos valias com vendas de imóveis de 3 milhões nos nove meses

O banco vendeu nos nove meses 1.500 imóveis, dos quais 500 no trimestre. O BCP encaixou 172 milhões de euros em imóveis, com menos valia de 3 milhões face ao valor líquido de imparidades.
Comentários