Gonçalo Reis: “Vamos fazer o mais barato Festival da Eurovisão de sempre”

Eurovisão decorrerá em Lisboa, mas as edições do Festival da Canção dos próximos quatro anos serão fora da capital.

O presidente do conselho de administração da RTP garante que Portugal vai organizar “o [Festival da] Eurovisão mais barato de sempre”, em 2018, em Lisboa, mas terá, mesmo assim, uma proposta criativa das mais interessantes jamais feitas, com capacidade para “projetar Portugal”.

Historicamente, segundo o investimento feito em cada uma das edições dos últimos 10 anos, o Festival da Eurovisão custa entre 25 e 40 milhões de euros ao país que o promove. Em declarações ao Jornal Económico, à margem da conferência promovida pelo International Club of Portugal (ICPT), onde foi orador convidado, Gonçalo Reis garantiu que a edição portuguesa ficará abaixo destes valores.

“Posso hoje afirmar que vamos fazer o Festival da Eurovisão mais barato de sempre e que estou crente que as nossas equipas criativas vão desenvolver um dos eurovisões mais interessantes de sempre”, disse.

Esta é a primeira vez que o Festival da Eurovisão se realiza em Portugal, depois de Salvador Sobral ter vencido a edição de 2017, em maio, em Kiev, na Ucrânia, com a canção “Amar pelos dois”. A canção, com letra e música de Luísa Sobral, irmã de Salvador Sobral, obteve 758 pontos na votação combinada dos júris nacionais e do público.

Gonçalo Reis explica que o projeto da RTP passa por apostar, primeiro, no Festival da Canção, que se realizará fora de Lisboa, enquanto as duas semifinais e a final do Festival Eurovisão da Canção de 2018 decorrerão no pavilhão MEO Arena, no Parque das Nações, em Lisboa, nos dias 8, 10 e 12 de maio.

“Começámos por apostar no Festival da Canção – que não queremos dissociar do Festival da Eurovisão”, diz o presidente da RTP, apontando: “Houve uma opção de fazer o festival da canção fora da capital, descentralizando. Depois de visitas técnicas, escolhemos Guimarães [para a próxima edição]. E assumimos o compromisso de nos próximos quatro anos todos os festivais da canção, onde escolheremos o representante português [para a Eurovisão], o próximo Salvador Sobral, serem sempre fora da capital”.

“Vamos percorrer o país e vamos dar oportunidade a várias cidades portuguesas de serem o palco do Festival da Canção”, disse.

Para o Festival da Eurovisão, está a ser desenvolvida uma ideia que ajude a projetar Portugal no exterior. “As nossas equipas criativas estão a desenvolver o conceito [para] transmitir a imagem de um Portugal contemporâneo, de um Portugal aberto ao mundo, de uma cultura de inclusão, de uma cultura de tolerância, de uma cultura positiva”, diz o gestor.

Reis defende que este “vai ser um projecto mobilizador para todas as indústrias criativas, para Lisboa e para Portugal”, que vai projetar o país e ajuda-lo “a surfar esta onda de grande notoriedade, esta onda positiva que o país como um todo está a ter, em termos de projecção internacional”, mas avisa que se trata de um acontecimento que extravasa a empresa.

“O [Festival da] Eurovisão é um espectáculo, é um evento que ultrapassa a RTP. A RTP tem todas as condições para produzir um grande evento de televisão, para promover as nossas indústrias criativas, a indústria do entretenimento”, afirma.

“Agora, o [Festival da] Eurovisão é algo que envolve a cidade, o turismo, todo o país”, conclui.

 

Artigo publicado na edição digital do Jornal Económico. Assine aqui para ter acesso aos nossos conteúdos em primeira mão.

Ler mais
Recomendadas

Jornal Económico teve melhor desempenho de sempre no primeiro trimestre de 2019

Site do Jornal Económico recebeu 12,5 milhões de visitas entre janeiro e março de 2019, o que representa uma subida de 20% face ao mesmo período do ano passado. Número de utilizadores do site cresceu 30% para cinco milhões e circulação da edição semanal superou pela primeira vez a fasquia dos dez mil exemplares. Obrigado pela sua preferência!

Portugal e Cabo Verde no topo da liberdade de imprensa

Os Repórteres Sem Fronteiras referem que, “apesar de os jornalistas serem mal pagos” e haver mais “insegurança no trabalho”, em Portugal, “o ambiente investigativo é relativamente calmo”. De Cabo Verde exaltam a “ausência de ataques” a estes profissionais.

De Jagger a da Vinci. Cartas à mão de personalidades transformam-se em livro

Já quase não se escrevem cartas à mão, e as poucas que ainda recebemos no correio são para pagar as contas. Shaun Usher tornou conhecida a banal missiva que a rainha Elizabeth II escreveu a Dwight D. Eisenhower, presidente dos Estados em 1960. A mais surpreendente que lhe chegou às mãos foi a do cantor Iggy Pop.
Comentários