GoParity é a primeira plataforma de investimento em sustentabilidade licenciada pela CMVM

Em 2019, a GoParity pretende ajudar as empresas a captar 2,5 milhões de euros e ultrapassar os três mil investidores registados”. Até 2022, espera ultrapassar os 35 milhões de euros em projetos financiados.

A GoParity, plataforma nacional de investimento em sustentabilidade, obteve licença de intermediação em financiamento colaborativo pela CMVM – Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, sendo a primeira do género a consegui-lo.

“A GoParity é a primeira plataforma de ‘crowdfunding’ para projetos com impacto ambiental e social licenciada pela CMVM”, destaca um comunicado oficial da instituição.

Segundo esse documento, “a plataforma, que iniciou atividade no primeiro semestre de 2017, tem como objetivo facilitar o financiamento de projetos na área da sustentabilidade e do impacto social, através da obtenção de empréstimos de cidadãos e empresas”.

“Este registo é crucial para o aumento da confiança dos investidores e um sinal de que a sustentabilidade tem um papel cada vez mais preponderante na economia portuguesa”, acrescenta o referido comunicado.

No ano que está prestes a terminar, “a GoParity foi a promotora do maior projeto de ‘crowdfunding’ energético em Portugal, conseguindo financiamento de 275 mil euros para instalação de sistema fotovoltaico para autoconsumo na Cerâmica de Pegões, co-financiado pela alemã Genke”, além de ter vencido o prémio Metlife para a inclusão financeira, sendo a única ‘startup’ portuguesa com presença na final mundial em Nova Iorque.

A GoParity tornou-se também numa das 20 ‘startups’ mais mediáticas de Portugal, segundo um estudo da Cision.

Nuno Brito Jorge, co-fundador da GoParity, explica que “o registo na CMVM tem uma enorme importância para nós e para o setor do investimento com impacto em Portugal”.

“Por um lado, significa que estamos a trabalhar de acordo com os padrões de uma entidade tão exigente quanto a CMVM e, por outro, que o investimento com benefícios ambientais ou sociais veio para ficar. Queremos que a GoParity faça a diferença nas opções dos investidores de retalho e empresas, contribuindo para uma economia mais verde e para os ‘Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas’. Esta licença é mais um passo que fará a diferença no reforço da confiança dos investidores e, portanto, no nosso crescimento”, sublinha este responsável.

Os objectivos de Nuno Brito Jorge para o futuro são ambiciosos: “em 2019, pretendemos ajudar as empresas a captar 2,5 milhões de euros e ultrapassar os três mil investidores registados” e “até 2022 esperamos ultrapassar os 35 milhões de euros em projetos financiados”.

Para facilitar a participação e democratizar o acesso a oportunidades de investimento com impacto e retorno positivo, a GoParity reduziu o investimento mínimo por projeto de 50 para 20 euros, conclui o referido comunicado.

 

Ler mais
Relacionadas

Portuguesa GoParity na final mundial de concurso da MetLife em Nova Iorque

A GoParity foi a única empresa portuguesa a apurar-se para a final deste concurso.

GoParity lança criptomoeda em Portugal que recompensa produção de energia solar

Produtores de energia solar podem receber as novas criptomoedas SolarCoin e trocá-las por bitcoins ou euros. O projeto é da fundação internacional com o mesmo nome da criptomoeda e chegou agora a Portugal pela mão da GoParity.

Eficiência energética: GoParity captou um milhão de euros para projetos em Portugal

Esta plataforma de investimentos sustentáveis em Portugal conseguiu esta verba ao abrigo do programa Horizonte 2020, da Comissão Europeia.
Recomendadas

Lloyd’s com lucros de 783 milhões de euros até setembro. Caem 64% num ano

No acumulado dos nove meses, o banco liderado por António Horta Osório registou lucros de 707 milhões de libras (783 milhões de euros) o que traduz uma queda de 64% face aos nove meses de 2019. Imparidades de 4,119 mil milhões de libras justificam a queda dos resultados líquidos. Mas no terceiro trimestre o banco regressou aos lucros.

Cobertura dos media portugueses à Fórmula 1 gerou 13,1 milhões de euros em três dias

Estima-se que a realização do Grande Prémio de Portugal, em Portimão, gerou um impacto financeiro entre 40 a 50 milhões de euros. No que respeita à cobertura dos media portugueses, só as televisões geraram 10,9 milhões de euros, segundo uma análise da Marktest.

NH quer vender portefólio de hotéis em Portugal, Holanda e Alemanha por 200 milhões

Os potenciais compradores incluem fundos de investimento que já ocupam posições de destaque na hotelaria na Europa. Em Portugal, o grupo NH possui 17 unidades hoteleiras divididas pelo Algarve, Lisboa, Porto, Coimbra, Évora e Sintra.
Comentários