Governo abre investigação a voo para a Venezuela após acusações à TAP

O Ministério da Administração Interna determinou à IGAI uma “averiguação para apuramento dos factos”. Em causa estão acusações de conivência na tentativa de entrada de explosivos na Venezuela.

Cristina Bernardo

O Governo solicitou esta sexta-feira à Inspeção Geral da Administração Interna (IGAI) uma investigação sobre a alegada falha de segurança numa viagem de avião para Caracas, que motivou acusações internacionais de conivência do Executivo e da TAP com uma tentativa de entrada de explosivos em território venezuelano.

“Face às declarações das autoridades venezuelanas referindo uma alegada falha de segurança num voo com origem em Lisboa, o ministro da Administração Interna determinou à IGAI a realização de uma averiguação para apuramento dos factos”, informa o gabinete de Eduardo Cabrita, em comunicado divulgado esta manhã.

Em causa está o facto de o governo de Nicolás Maduro considerar que a companhia aérea portuguesa violou os “padrões internacionais” ao ter permitido o transporte de explosivos e por ter ocultado a identidade do líder da oposição, Juan Guaidó, num voo para Caracas.

O presidente da Assembleia Constituinte da Venezuela, Diosdado Cabello, referiu ontem que as autoridades locais prenderam o tio de Juan Guaidó, Juan José Márquez, quando chegou ao Aeroporto de Maiquetia, por alegadamente ter transportar explosivos e coletes à prova de bala na viagem que ligou as capitais portuguesa e venezuelana  – realizada pela transportadora aérea portuguesa.

Diosdado Cabello diz que o tio do autoproclamado presidente da Venezuela trazia “material muito perigoso dentro do avião” que seria utilizado em “operações desestabilizadoras na Venezuela”, entre o qual “lanternas táticas, que continham no interior, no compartimento das pilhas, substâncias químicas de natureza explosiva, presumivelmente explosivo sintético C4”.

Recomendadas

Técnicos de eventos marcam manifestação para terça-feira. Pedem prolongamento do layoff e fundos para o setor

Empresas do setor de produção de eventos queixam-se do impacto da pandemia, que devastou a sua atividade, e pedem mais medidas de apoio. O protesto, que contará com uma instalação e videomapping, pretende alertar para as dificuldades, respeitando as medidas de segurança em tempos de pandemia

IP propôs ao IMT medidas adicionais de segurança para circulação de veículos de manutenção ferroviária

A Autoridade Naciomnal de Segurança Ferroviária deverá responder a esta proposta nos próximos dias.

Robert Strayer, que defendeu a exclusão da Huawei no 5G, vai deixar a Casa Branca

Strayer demitiu-se do cargo de vice-secretário adjunto para comunicações cibernéticas e internacionais e política de informação para assumir a vice-presidência da Information Technology Industry Council (ITIC), uma associação que conta com a Amazon, Alphabet, Microsoft e Facebook.
Comentários