Governo alarga regime de faltas justificadas a quem tiver de prestar assistência a pais ou avós

O Executivo de António Costa anunciou esta quinta-feira um reforço das medidas já tomadas que previam o apoio aos trabalhadores com filhos menores de 12 anos ou com alguma deficiência ou doença crónica. Estas estendem-se agora a quem tenha de apoiar pais ou avós. O Executivo socialista decretou ainda novas medidas de apoio às famílias durante as férias da Páscoa.

O Conselho de Ministros aprovou esta quinta-feira um regime excecional e temporário de faltas justificadas motivadas por assistência à família, nomeadamente a pais ou avós. O Governo reforça assim as medidas já tomadas que previam o apoio aos trabalhadores com filhos menores de 12 anos ou com alguma deficiência ou doença crónica, que irá ser também estendido ao período das férias da Páscoa.

“Recupera-se o sistema de faltas justificadas alargado aos ascendentes [pais e avós] e não apenas aos descendentes [filhos], no caso dos lares de idosos serem encerrados, bem como centros de dia ou outras instituições sociais. Além disso, estende-se ao período das férias da Páscoa”, afirmou a ministra de Estado e da Presidência, Mariana Vieira da Silva, em conferência de imprensa, após a reunião do Conselho de Ministros.

O novo regime excecional e temporário de faltas justificadas tem como objetivo “melhorar a sua adequação à realidade” e acautelar “as situações em que se verifica a necessidade de assistência a parente na linha reta ascendente que se encontre a cargo do trabalhador e que frequente equipamentos sociais cuja atividade seja suspensa”.

No decreto-lei aprovado, fica também estabelecido “o funcionamento durante o período de interrupção letiva da rede de estabelecimento de ensino que promove o acolhimento dos filhos ou outros dependentes a cargo dos profissionais de saúde, dos serviços de ação social, das forças e serviços de segurança e de socorro”. Estes apoios destinam-se também aos filhos dos bombeiros voluntários, forças armadas e trabalhadores dos serviços públicos essenciais, “cuja mobilização para o serviço ou prontidão obste a que prestem assistência aos mesmos”.

As medidas aprovadas até agora previam que as faltas ao trabalho motivadas apenas por “assistência inadiável a filho ou outro dependente a cargo menor de 12 anos” ou com deficiência ou doença crónica fossem justificadas e os pais tinham direito aos apoios excecionais.

Entre esses apoios está previsto que os trabalhadores por conta de outrem que fiquem a prestar apoio a menores de 12 anos com o pagamento de 66% do salário base (33% pagos pelo empregador e outros 33% pela Segurança Social). Já os trabalhadores independentes com filhos menores vão receber um terço da remuneração média, juntamente com uma compensação por redução de atividade.

Ler mais
Recomendadas

Travão de apoio ao Novo Banco é um “número de circo, mas não viola a Constituição”, diz fiscalista

A anulação da transferência de 476 milhões de euros para o Novo Banco, aprovada no Orçamento do Estado, não é inconstitucional, mas “gerará responsabilidade civil”, disse o antigo secretário de Estado dos Assuntos Fiscais Rogério Fernandes Ferreira, à Lusa.

Covid-19: Açores com 34 novos casos elevando para 359 número de ativos nas últimas 24 horas

Os Açores registaram nas últimas 24 horas 34 novos casos positivos de covid-19, elevando para 359 o total de ativos na região, segundo o boletim diário da Autoridade de Saúde Regional.

Trabalhadores dos CTT cumprem na segunda-feira primeiro de três dias de greve

Os trabalhadores dos CTT vão estar em greve na segunda, quarta e quinta-feira, exigindo aumentos salariais e reforço de colaboradores para o serviço postal, reivindicações já contestadas pelos Correios.
Comentários