Governo aprova plano de gestão dos fogos florestais

Este plano ficará disponível a partir desta quinta-feira para consulta pública. Segundo Matos Fernandes, está previsto um investimento do Estado de 500 milhões de euros.

O Governo aprovou, em Conselho de Ministros, esta quinta-feira, 5 de dezembro, o Plano Nacional de Gestão Integrada dos Fogos Rurais (PNGIFR), que ficará ainda hoje disponível para consulta pública.

Este plano, que abrange o período 2020-2030, “identifica o contexto e designa as orientações e os objetivos estratégicos para uma abordagem integrada ao problema, definindo as responsabilidades das entidades públicas e privadas envolvidas, desde o planeamento até ao pós-evento”, pode ler-se no comunicado emitido.

Para a criação deste documento foi utilizada como base de trabalho os relatórios produzidos pelas duas comissões técnicas independentes, constituídas pela Assembleia da República na sequência dos incêndios ocorridos em Portugal no ano de 2017.

A estratégia e gestão integrada de fogos rurais já havia sido um tema discutido em maio deste ano, na Assembleia da República durante o debate quinzenal.

Em entrevista à “TSF”, o ministro do Ambiente e da Ação Climática explicou que está previsto um investimento do Estado de 500 milhões de euros. “Quando os incêndios têm mais de 500 hectares, temos de ter a certeza de que as áreas ardidas terão sempre um plano de recuperação que será devidamente executado”, afirmou João Pedro Matos Fernandes à rádio. “A participação dos privados é fundamental, no sentido em que 97% da área florestal em Portugal pertence a privados. Temos que ter uma coligação com os donos da terra”, sublinhou o governante.

Recomendadas

Medidas extraordinárias do PT 2020 vão permitir manter 776 milhões de euros na economia

“O impacto, naquilo que se refere às empresas é de 475 milhões de euros […], a que se juntam 301 milhões de euros para outros beneficiários, somando um total de 776 milhões de euros, que vão continuar na economia”, avançou o secretário de Estado do Planeamento, em declarações à agência Lusa.

“Muitas empresas vão preferir fechar”, afirma coordenador da UTAO

Rui Nuno Baleiras, que dá apoio à Comissão de Orçamento e Finanças do parlamento, considera que com as medidas atuais de apoio às empresas a capacidade produtiva nacional não ficará intacta.

Bruxelas elogia Portugal por legalizar estrangeiros em situação irregular

“Congratulo-me com a decisão do primeiro-ministro António Costa, de Eduardo Cabrita e do Governo Português em conceder direitos totais aos migrantes e requerentes de asilo em Portugal durante a crise da Covid-19”, disse a comissária europeia para os Assuntos Internos.
Comentários