Governo aprova subsídio de doença pago a 100% para trabalhadores com Covid-19

A medida consta no Orçamento Suplementar e prevê que a Segurança Social passe a pagar por inteiro a baixa dos trabalhadores infetados com Covid-19, que até agora tinham direito apenas a 55% da remuneração de referência.

António Pedro Santos / Lusa

O Governo aprovou esta quinta-feira um decreto-lei que prevê o pagamento a 100% de um subsídio de doença para as pessoas infetadas com o novo coronavírus (Covid-19). A medida consta no Orçamento Suplementar e prevê que a Segurança Social passe a pagar por inteiro a baixa médica dos trabalhadores infetados com Covid-19, que até agora tinham direito apenas a 55% da remuneração de referência.

“O Conselho de Ministros aprovou um diploma que consolida um conjunto de medidas aprovadas em sede de Orçamento Suplementar, de resposta à pandemia de Covid-19. Entre estas, está a definição de que o isolamento profilático ou a proteção na doença dos doentes de Covid-19 são financiados no máximos de 28 dias a 100%”, explicou a ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva, na conferência de imprensa desta quinta-feira.

Quer isto dizer, que o subsídio de doença a atribuir aos trabalhadores infetados com Covid-19 deverá ser igual a 100% da sua remuneração, nos primeiros 28 dias. A medida destina-se aos “trabalhadores por conta de outrem e dos trabalhadores independentes do regime geral de segurança social”, cujo o subsídio de doença correspondia, até agora, a um valor equivalente a 55% da sua remuneração de referência, nos primeiros 30 dias da baixa.

Com a aprovação desta medida, o Governo vem corrigir uma lacuna na lei, tendo em conta que o pagamento a 100% de um subsídio de doença para as pessoas infetadas com Covid-19 já estava previsto no Orçamento Suplementar – que entrou em vigor a 25 de julho –, mas não estava a ser aplicada por não existir ainda legislação que regulamentasse este tipo de situações.

Relacionadas

Portugal passa a estado de contingência a partir de 15 de setembro

Já durante a próxima quinzena a Área Metropolitana de Lisboa mantém-se em estado de contingência e Portugal continental em alerta. “Precisamos de preparar a reação ao aparecimento de casos e preparar como se lidará, em cada situação, em contexto escolar. É mais sobre esta dimensão que ainda há trabalho a fazer com as autoridades de saúde”, disse a ministra Mariana Vieira da Silva.
Recomendadas
Marta Temido em entrevista à RTP

Fecho imediato de todas as escolas vai ser discutido em Conselho de Ministros nesta quinta-feira

Ministra da Saúde admite que é possível chegar a 20 mil mortes causadas pela pandemia até março. Variante britânica do coronavírus SARS-CoV-2 representa 20% dos casos de infeção e poderá chegar aos 60%.

“Ingerência” ou “acusações falsas”? Caso do procurador europeu divide Parlamento Europeu

Apenas o grupo político europeu que integra o PS aceitou sem reservas as explicações do Governo português. O grupo político do PSD e CDS-PP diz que “disparates destes são próprios de outras latitudes” e que é preciso investigar o caso. Já o GUE/NGL, onde está o BE e o PCP, não se opõe à nomeação, mas lamenta “trapalhada grave” que ameaça manchar a presidência portuguesa do Conselho da União Europeia.

PS pede a PSD que evite “aproveitamento partidário” da pandemia

“Temos de evitar que haja tentativas de aproveitamento partidário numa circunstância especialmente difícil, dramática, da nossa vida coletiva”, disse à agência Lusa o dirigente socialista, respondendo, assim, a Rui Rio, que pediu hoje ao primeiro-ministro, António Costa, para encerrar as escolas a partir de quinta-feira, de modo a conter a propagação do SARS-CoV-2.
Comentários