Governo bloqueia licenças para novos projetos solares em Portugal

No total seriam quase 800 milhões de euros de investimento potencial nas novas centrais, que se concentram sobretudo no Algarve e Alentejo. Contudo, após a saída de Seguro Sanchez do Governo, o discurso mudou e as licenças para a construção de centrais fotovolotaicas, num total de 1, 5 mil megawatts, são agora um número excessivo.

Até 2021, deveriam nascer em Portugal 31 novas centrais solares fotovoltaicas, num total de mil megawatts de licenças que o Governo aprovou em regime de mercado, ou seja, sem dinheiro a tarifas subsidiadas. Esta promessa não concretizada feita pelo antigo secretário de Estado da Energia, Seguro Sanchez, foi relembrada na edição desta quarta feira do ”Jornal de Notícias” (JN).

No total seriam quase 800 milhões de euros de investimento potencial nas novas centrais, que se concentram sobretudo no Algarve e Alentejo. Contudo, após a saída de Seguro Sanchez do Governo e a entrada de João Galamba para a mesma posição, num espaço de seis meses o discurso do Governo mudou e as licenças para a construção de centrais fotovolotaicas, num total de 1,5 mil megawatts, são agora um número excessivo.

O sistema de licenciamento foi pensado para obter uma “licença depressa mas pouco pensado para começar a produzir depressa”, como disse o próprio ministro. Os trabalhos demoram a arrancar no terreno, os investimentos também tardam, e já foi mesmo ordenado um levantamento exaustivo e inspeção às licenças passadas. Contactada pelo ”Dinheiro Vivo”, a secretaria de Estado da Energia não respondeu às questões enviadas.

O objetivo passa por detetar eventuais situações de “especulação com licenças” nos projetos de energia solar. Ao ”Público”, o novo secretário de Estado admitiu mesmo “suspeitas sobre a seriedade das intenções em torno de algumas das novas licenças atribuídas”.

Recomendadas

UGT preocupada com números do desemprego e `lay-off` em Portalegre

De acordo com a UGT, estes números tiveram particular incidência em concelhos com mais de 500 desempregados, nomeadamente em Elvas, Portalegre, Ponte de Sor e Campo Maior.

Fenprof vê com “muita preocupação” reabertura de jardins de infância

As crianças em idade pré-escolar regressam hoje aos jardins de infância, que voltam a funcionar com novas regras, depois de encerradas durante mais de dois meses, devido à pandemia da covid-19.

Itália abre fronteiras mas exclui países que impõem restrições a italianos

Os passageiros serão testados à chegada e, se mostrarem resultados negativos para a infeção, ficarão em quarentena por sete dias. Se o teste der positivo, ou seja, se mostrarem que os viajantes estão infetados com covid-19, a quarentena será de 14 dias.
Comentários