Governo cabo-verdiano anuncia que aeroportos serão concessionados

A concessão acontecerá mediante escolha de “parceiro estratégico”, o que “pode acontecer ainda este ano”, segundo o primeiro-ministro de Cabo Verde, Ulisses Correia e Silva.

O primeiro-ministro de Cabo Verde, Ulisses Correia e Silva, anunciou esta quinta-feira que todos os aeroportos do país serão “concessionados” mediante a “escolha de parceiro estratégico” e “pode acontecer ainda este ano”.

“Uma das vantagens da concessão e da escolha de um bom parceiro é aumentar o fluxo de passageiros”, indicou o chefe do executivo, para quem quantos mais aparelhos a aterrarem e a levantarem voos, “mais ganha a gestão dos aeroportos.

Para o chefe do governo cabo-verdiano, que falava à imprensa no final de uma visita ao Aeroporto Internacional Nelson Mandela (Praia), a FIR-Oceânica “continuará a ser gerida por uma entidade pública”, enquanto a gestão dos aeroportos “será concessionada”.

A concessão das infraestruturas aeroportuárias, prosseguiu, acontecerá depois da elaboração do quadro legislativo “que está a ser trabalhado” e partir daí será “fechado um bom parceiro estratégico”.

Em relação à escolha do tal parceiro estratégico, que passará por um concurso público, Ulisses Correia e Silva afirmou que “será definido na lei”. Acrescentou ter ficado “agradavelmente surpreendido” com o que viu no aeroporto da Praia, onde, de acordo com as suas palavras, foram feitos “bons investimentos”, os quais colocam aquela infraestrutura entre “os mais funcionais e modernos” do país, em termos de “segurança, eficiência e qualidade”.

“Estas obras colocam o aeroporto da Praia como um aeroporto moderno e com maior nível de eficiência e segurança e com capacidade de expansão futura, em termos de serviços e de números de voos”, explicou à imprensa.

Segundo o governante, neste momento, os investimentos feitos nos aeroportos têm em vista transformar as atividades deste sector em “atividade importante para o desenvolvimento de Cabo Verde”. Sobre a possibilidade da extensão do atual aeroporto o primeiro-ministro deixou transparecer que “ações futuras serão avaliadas” nesse sentido, mas que caberá ao quadro técnico definir.

Questionado sobre se faz sentido ampliar a atual pista, quando se efetiva o “hub” aéreo no Sal, explicou que tal plataforma no Sal tem uma “funcionalidade muito própria”, ou seja a distribuição do tráfego entre Cabo Verde, Europa, Américas e África.

“Mesmo a TACV (Cabo Verde Airlines) a voar a partir do Sal, no conceito “hub”, não impede que faça voos a partir da Cidade da Praia, desde que haja rentabilidade comercial”, precisou o chefe do Governo, acrescentando que “eventualmente, no futuro, o país terá mais aeroportos internacionais”, para serem “pontos de serviço e de apoio ao aumento do fluxo do turismo”.

Ler mais
Recomendadas

Cerimónia fúnebre de Dom Paulino Évora reúne centenas de pessoas na Praia

A ilha de Santiago disse adeus ao primeiro bispo de Cabo Verde. Dom Paulino Évora foi ordenado sacerdote em Portugal em 1962.

Jogos Africanos de Praia fazem de Cabo Verde destino desportivo

“Esta aposta vale a pena porque está dentro da estratégia de tornar Cabo Verde num país relevante no mundo de organizações de eventos desportivos”, disse o ministro do Desporto cabo-verdiano.

Empresas privadas com “expectativas enormes” sobre fórum de investimento em Cabo Verde

O Cabo Verde Investment Forum está agendado para os próximos dias 1, 2 e 3 de julho. “A questão do financiamento continua a ser um dos grandes desafios para o sector privado nacional”, disse o secretário-geral da Câmara de Comércio de Sotavento.
Comentários