Governo cabo-verdiano anuncia que aeroportos serão concessionados

A concessão acontecerá mediante escolha de “parceiro estratégico”, o que “pode acontecer ainda este ano”, segundo o primeiro-ministro de Cabo Verde, Ulisses Correia e Silva.

O primeiro-ministro de Cabo Verde, Ulisses Correia e Silva, anunciou esta quinta-feira que todos os aeroportos do país serão “concessionados” mediante a “escolha de parceiro estratégico” e “pode acontecer ainda este ano”.

“Uma das vantagens da concessão e da escolha de um bom parceiro é aumentar o fluxo de passageiros”, indicou o chefe do executivo, para quem quantos mais aparelhos a aterrarem e a levantarem voos, “mais ganha a gestão dos aeroportos.

Para o chefe do governo cabo-verdiano, que falava à imprensa no final de uma visita ao Aeroporto Internacional Nelson Mandela (Praia), a FIR-Oceânica “continuará a ser gerida por uma entidade pública”, enquanto a gestão dos aeroportos “será concessionada”.

A concessão das infraestruturas aeroportuárias, prosseguiu, acontecerá depois da elaboração do quadro legislativo “que está a ser trabalhado” e partir daí será “fechado um bom parceiro estratégico”.

Em relação à escolha do tal parceiro estratégico, que passará por um concurso público, Ulisses Correia e Silva afirmou que “será definido na lei”. Acrescentou ter ficado “agradavelmente surpreendido” com o que viu no aeroporto da Praia, onde, de acordo com as suas palavras, foram feitos “bons investimentos”, os quais colocam aquela infraestrutura entre “os mais funcionais e modernos” do país, em termos de “segurança, eficiência e qualidade”.

“Estas obras colocam o aeroporto da Praia como um aeroporto moderno e com maior nível de eficiência e segurança e com capacidade de expansão futura, em termos de serviços e de números de voos”, explicou à imprensa.

Segundo o governante, neste momento, os investimentos feitos nos aeroportos têm em vista transformar as atividades deste sector em “atividade importante para o desenvolvimento de Cabo Verde”. Sobre a possibilidade da extensão do atual aeroporto o primeiro-ministro deixou transparecer que “ações futuras serão avaliadas” nesse sentido, mas que caberá ao quadro técnico definir.

Questionado sobre se faz sentido ampliar a atual pista, quando se efetiva o “hub” aéreo no Sal, explicou que tal plataforma no Sal tem uma “funcionalidade muito própria”, ou seja a distribuição do tráfego entre Cabo Verde, Europa, Américas e África.

“Mesmo a TACV (Cabo Verde Airlines) a voar a partir do Sal, no conceito “hub”, não impede que faça voos a partir da Cidade da Praia, desde que haja rentabilidade comercial”, precisou o chefe do Governo, acrescentando que “eventualmente, no futuro, o país terá mais aeroportos internacionais”, para serem “pontos de serviço e de apoio ao aumento do fluxo do turismo”.

Ler mais
Recomendadas

Portugal concede moratória a Cabo Verde e a São Tomé e Príncipe sobre empréstimos diretos

A adoção desta medida de suspensão do pagamento de capital e juros vai determinar uma negociação, até setembro, de acordos de moratória com estes dois países africanos de língua oficial portuguesa, e o estabelecimento de novo plano e condições de empréstimos, refere o Governo.

Banco de Cabo Verde prevê vender sede e edifícios por mais de 3,2 milhões de euros

A administração do Banco de Cabo Verde (BCV) esclareceu esta segunda-feira que a venda da atual sede e mais dois edifícios na Praia será feita por mais de 3,2 milhões de euros, conforme avaliação de peritos aos imóveis.

Cabo Verde Airlines em risco de desaparecer

O vice-primeiro-ministro cabo-verdiano, Olavo Correia, afirmou que, sem a intervenção do Estado, a Cabo Verde Airlines (CVA) “desaparecerá”.
Comentários