Governo cabo-verdiano deixa cair ‘golden share’ em petrolífera e quer encaixar 760 mil euros

Os dados constam da informação enviada aos investidores sobre a Operação Pública de Venda (OPV) daquela posição, referente a 21 mil ações detidas pelo Estado de Cabo Verde na Enacol, que arranca quarta-feira e que termina em 11 de dezembro.

Zbynek Burival on Unsplash

O Estado cabo-verdiano espera encaixar 83 milhões de escudos (760 mil euros) com a venda da participação de 2,1% na distribuidora de combustíveis Enacol, mas os direitos dessa ‘golden share’ não transitam para os novos acionistas.

Os dados constam da informação enviada aos investidores, à qual a Lusa teve hoje acesso, sobre a Operação Pública de Venda (OPV) daquela posição, referente a 21.000 ações detidas pelo Estado de Cabo Verde na Enacol, que arranca quarta-feira e que termina em 11 de dezembro.

A Enacol, criada em 1979 e com uma quota de mercado na distribuição em Cabo Verde de produtos petrolíferos superior a 50%, é atualmente participada em 48,3% pelo grupo português Galp, em 38,7% pela Sonangol Cabo Verde e, além do Estado cabo-verdiano, em 10,9% por outros pequenos acionistas.

A posição até agora detida pelo Estado cabo-verdiano funcionava – em 2014 foi aprovada legislação para terminar com este tipo de ações em Cabo Verde – como ‘golden share’, conferindo “direito de veto” em deliberações relativas a alterações do contrato de sociedade, à fusão, à cisão, à transformação e à dissolução de sociedade, entre outras matérias.

“As referidas ações deixaram de atribuir direitos especiais aquando da sua transferência para outros titulares – os investidores que venham a adquirir as 21.000 ações na Oferta. Será convocada uma Assembleia Geral do Emitente para alterar em conformidade as cláusulas estatutárias relevantes”, lê-se na mesma informação aos investidores.

O capital social da Enacol é de 1.000 milhões de escudos (nove milhões de euros), representado por um milhão de ações, com um valor nominal de 1.000 escudos (nove euros), mas a OPV, conduzida pela Bolsa de Valores de Cabo Verde, fixou um preço de venda de cada ação do Estado em 3.991 escudos (36 euros), podendo ser adquiridas por qualquer pessoa.

De acordo com o último relatório e contas da empresa, a Enacol apresentou um resultado líquido de 841,9 milhões de escudos (7,6 milhões de euros), um aumento de 20% face aos resultados de 2017, enquanto os resultados operacionais cresceram 30%, para 16.965 milhões de escudos (153 milhões de euros).

Ler mais
Recomendadas

CAL elege nova direção. Lista liderada por Moçambique tem todos os países da CPLP

Vão estar na assembleia geral, que será presidida por Rogério Hilário, em representação do CEC, representantes da CPLP — Comunidade dos Países de Língua Portuguesa.

Investimentos públicos na ilha de Santo Antão devem ultrapassar os 960 mil contos em 2020

A maior fatia orçamental está destinada à requalificação urbana e melhoria de acessibilidades da ilha cabo-verdiana.

Exploração política está a aumentar sentimento de insegurança em Cabo Verde, diz ministro Paulo Rocha

Segundo o governante que lidera o MAI cabo-verdiano, o país contabiliza desde o início do ano 31 homicídios (o último dos quais no sábado, na Praia), contra os 37 em todo o ano de 2018 e 38 no ano anterior.
Comentários